Partitura de haicai

Dividido em "10 composições", Oxigênio traz números de rock que contaminam a prosa poética

MARIA EUGÊNIA DE MENEZES, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2011 | 03h08

A combinação é estranha. Terrorismo, pedofilia, fanatismo religioso, amor romântico e rock pesado: todas essas são questões que despontam em Oxigênio, espetáculo que a Cia. Brasileira de Teatro estreia hoje no Sesc Consolação. Não dá para negar o inusitado da combinação. O surpreendente é quanto essa miscelânea funciona no palco.

Depois de se destacar como revelação do Festival de Curitiba deste ano e cumprir uma temporada no Rio, a montagem já aporta em São Paulo com a chancela da crítica. Cercada pelo mesmo lastro de unanimidade que envolvia Vida, criação anterior do grupo do diretor Marcio Abreu. As temáticas dos dois espetáculos, aliás, são completamente diversas. Seus processos de criação também: um deles partia de uma dramaturgia própria, o outro de um texto acabado. Ambos, porém, dão notícia da maturidade que a companhia curitibana alcançou e ajudam a demarcar o novo lugar que ela passa a ocupar na cena nacional.

Oxigênio empreende um mergulho em um autor inédito no País. O siberiano Ivan Viripaev é hoje um dos nomes de maior destaque da dramaturgia russa. Já foi descoberto na Europa. Mas seguia desconhecido por aqui. Fortemente marcada pelo contexto em que foi concebida, a obra de Viripaev dá conta de uma série de particularidades da Rússia hoje. Também evoca o passado soviético, ao impregnar sua história de ecos de Crime e Castigo - a obra máxima de Dostoievski.

Curiosamente, foi nesse texto que o diretor Marcio Abreu encontrou o esteio para reafirmar vários dos princípios estéticos que já notabilizavam a companhia: a maneira peculiar com que os intérpretes se colocam em cena, a linguagem que escapa de uma prosa lógica e coerente, a recusa à representação. "Fizemos um pouco mais do que uma tradução", explica o diretor. "Essa obra está marcada por uma realidade muito específica, da nova dramaturgia russa. A grande chave dessa escrita era como tirá-la dessa sua especificidade e ampliar as suas questões."

Em seu drama, Viripaev mobiliza uma fábula aparentemente simples. Um homem do interior da Rússia apaixona-se por uma moça que conhece em Moscou. Mobilizado pelos sentimentos imprevistos, retorna a casa e mata, com golpes de pá, sua mulher. Tal enredo é apenas um pretexto para que outra coisa se dê em cena. Ainda que não seja, em absoluto, desimportante. Será justamente por meio dele que o autor se lançará a outros temas. Abrirá dezenas de janelas. Sem necessariamente deter-se sobre nenhuma delas.

Marcio Abreu considera Oxigênio uma peça de geração, dos que nasceram nos anos 1970. Não só pelos assuntos que mobiliza. Mas pela forma como o faz. Sem empunhar qualquer bandeira. Relativizando qualquer moral ou verdade. Movendo-se por paradoxos, dúvidas. "É uma maneira de se relacionar com as coisas com certa fragilidade. De ser passional e racional ao mesmo tempo", diz o encenador.

Em nenhum momento, os intérpretes Rodrigo Bolzan e Patricia Kamis representam personagens. Entre um número de rock e outro, eles apenas narram a história do arrebatado amor de Sacha. E são, constantemente, instados a reafirmar sua presença diante do público. O procedimento não é novo. Remete ao tom performático que contamina o teatro contemporâneo há algum tempo - pelo menos desde os anos 1970. Mas exibe um frescor raro na forma como transfere o centro da cena para o espectador. Constrói um espaço onde quem assiste e quem está no palco compartilham uma mesma experiência.

Dividido em "10 composições", o texto de Viripaev assemelha-se a uma partitura musical. Existem trechos inteiros que se repetem. Funcionam como refrões e contaminam a prosa com laivos de lirismo. "Essas repetições possuem um valor sonoro e de sentido que remetem a forma de um poema, de um haicai", considera Abreu. A partir de determinado momento, a história do romance entre os dois personagens termina. A peça, contudo, ainda segue por algum tempo. Permanece no encalço de algumas perguntas: o que é essencial para cada um? O que é oxigênio para você?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.