Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Partidos

Acho inacreditável as pessoas, ainda hoje, defenderem com unhas e dentes os partidos políticos. Não estou falando, obviamente, das pessoas que fazem parte desses partidos. Falo do povo, de um modo geral.

Fábio Porchat,

27 de abril de 2014 | 02h12

Como é possível, em sã consciência, alguém, no Brasil, afirmar que determinado partido é bom e que o outro é ruim? Que partido tem a ficha limpa? Que partido não se envolveu em nenhum escândalo de corrupção? Que partido defende realmente os interesses da população e não os próprios? Que partido não faz alianças escusas pensando apenas em se manter no poder e ganhar mais um minuto e meio no horário eleitoral gratuito? Que partido é uma unanimidade, que, quando citado, recebe a aprovação da maioria?

Quem acredita em alguma palavra do que diz algum partido? Quando um político aparece no intervalo pedindo para votarem na legenda, eu fico admirado. Quem dá seu voto para um partido? Qualquer partido. Você vota num partido para eleger mais gente daquele partido. Qualquer pessoa daquele partido é boa, só porque ela é daquele partido? Isso faz algum sentido? Existe critério dos partidos para escolherem seus candidatos? Eles selecionam as pessoas que vão concorrer a algum cargo pela afinidade de mentalidade? Esquerda, direita, pelo amor de Deus, alguém ainda acha que isso muda alguma coisa?

A não ser que seja uma extrema direita (burra) ou uma extrema esquerda (burra), o resto é tudo uma grande salada. Eu entendo quando, lá trás, existia o papo dos comunistas e tal, mas isso é um papo de União Soviética. Eu tinha 6 anos quando caiu o Muro de Berlim. Hoje eu tenho 30 e o papo continua, como se fosse possível.

Quando vejo umas pessoas ainda mandando a clássica "vai pra Cuba", eu penso: sério isso? Alguém ainda ataca alguém assim? Pior, se existe esse "xingamento" é porque alguém ainda acha que Cuba funcionou e é um exemplo a ser seguido. Quê? Não existem mais dois lados da moeda, existem 300 lados.

Você não precisa mais ser obrigado a ser de esquerda ou direita, você é uma junção de muitas ideias. Eu gosto quando vejo esses defensores (detratores?) fervorosos se ofendendo: seu petista! Seu psdbista! Eu concordo que sejam ofensas mesmo. Eu prefiro que me mandem à merda do que me chamarem de pmdbista, ou volta lá pro seu PSOL, ou vai lá pro PP defender a ditadura.

Apoiar um partido, nesses tempos, diz muito a respeito do caráter da pessoa, não pelo partido, mas sim pela pessoa que canaliza as suas forças para a defesa de uma causa perdida.

Eu, Fábio, tento focar nos candidatos. Até porque quando a culpa é desse ou daquele, esse ou aquele vão presos. Quando a culpa é do partido, ninguém sabe, ninguém viu, prendem um laranja qualquer e o partido continua ali, firme, forte e com o bolso recheado. Por isso, prefiro acreditar mais no político. Pouquinho só, mas dá pra se ter mais controle de um político sozinho do que da junção de vários que formam a sua quadrilha.

* E-mail: fabio.porchat@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.