Parque ganha Teatro de Alumínio

Foi assinado hoje um convênio entre o Governo do Estado de São Paulo e a Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) para construir o Teatro do Alumínio no Parque Villa-Lobos. O documento prevê que a ABAL poderá usar 40 mil metros quadrados do parque para fazer um teatro e um centro de convenções. O vice-presidente da ABAL e idealizador do projeto, Flávio Zurllini, quer finalizar o projeto até o início de 2005. Orçado em R$ 40 milhões, o Teatro do Alumínio terá toda a estrutura feita de alumínio, inclusive as cadeiras das três salas de teatro. Pelo projeto do arquiteto Ricardo Julião, o Teatro do Alumínio terá um teatro com três salas, um centro de convenções, espaço para exposições e uma concha acústica. Ao todo, serão 12 mil metros quadrados de área construída. O resto da área deverá ser ocupada por platéias que assistirão a shows e eventos ao ar livre na concha acústica. ?São Paulo precisa de espaços multiuso?, disse Flávio Zurllini após a assinatura do convênio com o governador Geraldo Alckmin.Zurllini não esconde o interesse corporativo da indústria metalúrgica em promover o alumínio. Mas garante que se inspirou num teatro de rua que ocupava a Praça das Bandeiras, centro da cidade, conhecido como Teatro de Alumínio. ?Pessoas de mais idade afirmam que um teatro ambulante que se assemelhava a um circo se apresentava no centro de São Paulo. Esse teatro era feito de placas de alumínio. Depois de um ano pesquisando, não encontrei registros do teatro. Então, quisemos fazer um novo Teatro de Alumínio?, diz Zurllini. A única dificuldade para realizar o projeto, segundo o vice-presidente da ABAL, era obter a cessão do espaço. O resto do projeto ele pretende realizar com o auxílio das leis de incentivo à cultura. As leis dizem que empresas privadas devem financiar projetos em troca de diminuição de seus impostos. Como a ABAL representa um setor da indústria privada brasileira, não será surpresa se conseguir o dinheiro necessário para o projeto dentro do prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.