Paris Hilton ataca de DJ e lança segundo disco

Paris Hilton vem aí de novo. Já veio para o Carnaval, para desfilar como modelo na passarela, já estrelou comercial de cerveja, reality show e agora chega como DJ, fazendo sua estreia nas pickups à frente de 30 mil pessoas no Anhembi, neste sábado, no Pop Music Festival. "Amo cantar e amo atuar como DJ. Adoro as duas coisas. É legal ser DJ, você controla a festa, toca todo tipo de música, a sua e a de outros artistas. Mas amo cantar também, e meu segundo disco está pronto, vai sair em breve", anuncia Paris, de 31 anos, falando ao Estado por telefone. Ela conta que o álbum foi produzido pelo ex-namorado, o produtor e DJ holandês AfroJack, que tem uma pegada mais de hip-hop e electro e que está repleto de convidados. "As pessoas vão ficar surpresas com esse disco", prometeu.

O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2012 | 03h12

Sobre a nova vinda ao Brasil, a socialite disse: "Não há lugar como o Brasil. É um dos lugares mais excitantes do planeta. O Carnaval aí foi demais, as pessoas dançando nas ruas, a felicidade de todo mundo. Estou excitada e também nervosa por causa da quantidade de gente no festival, não sei como vai ser a reação à minha música. Mas sei que todo mundo aí gosta de festa, então vai ser uma festa."

Paris Hilton diz que vai fazendo seu set "conforme o sentimento da plateia", e que passa pelo eletrônico, pelo hip-hop, pelo pop. Também gosta de um som um pouco mais hardcore, com baixo e batidas potentes, mas não é sua especialidade. Diz-se contente pelas companhias do universo pop presentes. "Amo a Jennifer. É tão linda e bacana, uma pessoa natural e legal", disse.

"É incrível o que aconteceu nos últimos anos. Os DJs adquiriram uma fama que nunca tiveram, mas ao mesmo tempo nunca chegaram a tocar no rádio, sempre foi uma cultura da apresentação ao vivo. Aí, começou a haver uma comunicação com os artistas do pop, com as pessoas trabalhando discos de gente como a Rihanna, fazendo shows para plateias de 30, 40 mil pessoas. Acho que o papel do DJ ainda está em movimento, as plateias ainda vão ter boas surpresas." A voz rouca, uns pigarros à moda de Marilyn Monroe entre uma resposta e outra: Paris sabe como retroalimentar sua fama com seus percalços no jet set. É uma personagem da mundanidade, pivô de tributos e paródias infindos, do desenho South Park à banda Cansei de Ser Sexy. / J.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.