Parede pintada por Banksy é leiloada por mais de US$ 400 mil

Banksy é famoso por sua identidade misteriosa e por arte de conteúdo político.

Chloe Hadjimatheou, BBC

15 de janeiro de 2008 | 03h05

Um grafite pintando do lado de fora da parede de um prédio em Londres pelo polêmico artista britânico Banksy foi vendido pelo equivalente a US$ 408 mil, em um leilão no site eBay.Mas o comprador da obra, no momento coberta por um plástico transparente, precisará pagar pela remoção da parte da parede onde ela foi feita e pelo reparo do restante.O grafite mostra um pintor vestido com roupas antigas dando os retoques finais na palavra "Banksy", e foi feito em uma parede junto ao restaurante que vende pratos sob encomenda, "Falafel King", no bairro de Notting Hill, no oeste de Londres.O novo proprietário da obra pode ter vencido cerca de 60 outros interessados na compra do grafite, mas agora terá que enfrentar o desafio de levá-la para casa.Banksy, cuja identidade nunca foi revelada oficialmente, é conhecido por seus desenhos de conotação política em edifícios públicos da capital britânica e em outras partes do mundo.Em dezembro, ele inaugurou em Belém, na barreira israelense erguida na Cisjordânia separando áreas palestinas, uma exposição coletiva com artistas de outras regiões, inclusive palestinos. Banksy produziu novas imagens especialmente para a exposição, entre elas uma pomba vestida com colete à prova de balas. Banksy já havia decorado a barreira erguida por Israel na Cisjordânia em 2005. Os desenhos satirizavam a vida do outro lado da barreira. Na época, um dos grafites reproduzia um buraco na parede com uma paisagem tranqüila ao fundo.O preço de obras de Banksy subiu muito no último ano pelo mistério sobre sua identidade e por sua freqüência na mídia.Uma obra do artista encomendada para ser capa do álbum da banda britânica Blur foi vendida por mais de US$ 560 mil em um leilão no ano passado.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.