Parceria de pop e clássico

CD reúne o compositor Penderecki e o guitarrista Jonny Greenwood

João Marcos Coelho, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2012 | 03h08

A mais improvável das parcerias começou ano passado em concertos na Polônia e em Londres e rende agora um CD, lançado no mercado internacional pelo selo norte-americano Nonesuch: juntaram-se no mesmo palco o polonês Krzysztof Penderecki, de 79 anos, um dos mais respeitados compositores contemporâneos da atualidade, e o guitarrista Jonny Greenwood, de 40, integrante do Radiohead, o mais influente grupo pop da cena mundial. Estamos diante de uma refinada conversa estruturalmente musical, uma situação de pai e filho artísticos. Algo na linha Karatê Kid, mestre adestrando aluno talentosíssimo. São dois pares de obras mestre-discípulo: Trenodia para as Vítimas de Hiroshima e a resposta de Jonny Popcorn Superhet Receiver em quatro partes; Polymorphia e 48 Respostas para Polymorphia.

Como isso aconteceu? O que teria levado o astro pop a apaixonar-se justamente pela música mais radical do compositor erudito que atualmente compõe música bem mais macia e 'friendly' para os ouvidos?

A história começa com a formação clássica de Greenwood e suas atividades paralelas às do Radiohead, assinando bem-sucedidas trilhas de cinema para Sangue Negro e Precisamos Falar Sobre o Kevin, entre outros filmes. Continua com sua inesperada paixão pela orquestra, que qualifica como o maior instrumento musical da história da música (ele repetiu isso em entrevistas recentes, chegando a dizer que é preciso estar na sala de concertos para se dar conta da grandiosidade e do impacto de uma orquestra em ação). Ele não diz, mas, cá entre nós, além da radicalidade das duas peças que o encantaram está também a história delas, que sem dúvida atiçou a imaginação do guitarrista.

Em seu momento mais radical, na década de 60 do século passado, o compositor polonês Krzysztof Penderecki escreveu uma peça para uma orquestra de 52 instrumentos de cordas e intitulou-a abstratamente 8'37, referindo-se ao tempo que dura sua execução. Na estreia em concerto, Penderecki teve a mesma reação de um espectador que assistiu ao vídeo há dois meses no YouTube: "Dá medo." E por isso, decidiu colocar-lhe um título que a tornou quase imediatamente célebre: Trenodia para as Vítimas de Hiroshima. Trenodia quer dizer "canto fúnebre". Pegou bem demais.

Este episódio é hoje pouco lembrado. Nem Penderecki deve gostar de falar sobre isso, porque é inevitável a sensação de uma atitude oportunista visando a chamar a atenção para a obra que só nasceu motiva pela pesquisa de sons. Ele repetiu a dose, radicalizou ainda mais na chamada maquiagem. No ano seguinte, colocou eletrodos em pacientes de numa clínica psiquiátrica para registrar graficamente as ondas cerebrais dando conta das reações deles à audição de sua Trenodia. O passo seguinte era óbvio: levou a movimentação dessas ondas cerebrais para o papel pautado de música - e isso resultou em Polymorphia, também para orquestra de cordas.

"Gafanhoto" Jonny segue à risca os lances do grão-mestre polonês. Estimulado pelo lance das ondas cerebrais e sabedor que Penderecki é um apaixonado pelas árvores (possui mais de 9 mil espécies diferentes em sua propriedade rural na Polônia), ele escaneou uma folha de carvalho de seu jardim e reproduziu os contornos das nervuras em material musical. Villa-Lobos foi o primeiro a usar o truque em 1939, com sua New York Skyline, em que a linha melódica reproduz o contorno dos arranha-céus da Big Apple.

Só que a música de Penderecki tem voltagem muito maior, qualidade de invenção superior, enquanto a de Greenwood fica muito devedora do próprio ídolo e também dos lances zen do estoniano Arvo Pärt. Um exemplo dá a medida desta dependência: num lance magnífico, Penderecki conclui Polymorphia com um abrupto e inesperadíssimo acorde luminoso em dó maior empolgante. Isso depois de ter viajado pelo atonalismo, técnicas expandidas e incessante exploração de timbres nas cordas. Pois Greenwood abre suas 9 respostas a Polymorphia com este poderoso (e convencionalíssimo) acorde de dó maior. O que era uma surpresa se transforma numa repetição enfadonha. Um crítico inglês lembrou até que este impressionante acorde perfeito final é igualzinho ao do final de A Day in the Life dos Beatles (composta cinco anos depois).

Alternam-se na regência da excelente Aukso Orchestra o próprio Penderecki em suas obras e Marek Mos nas peças de Greenwood. Mas atenção: a música de Greenwood está milhões de anos-luz à frente dos astros pop que em 99% dos casos tentam ridiculamente fazer música sinfônica. É música de respeito, de surpreendente qualidade de invenção. Perde, é lógico, para estes dois clássicos contemporâneos de Penderecki. Mas joga este dificílimo jogo de invenção de igual para igual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.