"Paralela" reúne obras contemporâneas brasileiras

Em um belo e espaçoso galpão na Vila Olímpia, em São Paulo, estarão reunidas a partir desse domingo obras de quase 160 artistas brasileiros, traçando um panorama da arte contemporânea nacional. Trata-se de Paralela, exposição concomitante à 26ª Bienal Internacional que visa estimular o desenvolvimento e a divulgação da produção artística brasileira. Cerca de um terço dos trabalhos nunca foram exibidos na capital paulista. Há também obras novas de artistas de projeção nacional e internacional feitas especialmente para o evento. A mostra reúne obras de artistas que compõem o elenco de nove importantes galerias paulistanas: Casa Triângulo, Galeria Brito Cimino, Galeria Fortes Vilaça, Galeria Luisa Strina, Galeria Millan Antonio, Galeria Nara Roesler, Galeria Thomas Cohn, Galeria Vermelho e Marília Razuk Galeria de Arte. Um dos objetivos de Paralela é romper as divisões do circuito comercial e criar um diálogo entre os diferentes trabalhos. As obras foram aproximadas uma das outras por ?afinidades poéticas?, formando nove núcleos, entre eles arquitetura, paisagem, pintura, universo onírico e morte, segundo Moacir dos Anjos, crítico e diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM), do Recife, responsável pela seleção das obras e pela coordenação do evento. "Nosso desejo é fazer com que, numa exposição tão extensa e com trabalhos tão distintos, sejam as próprias obras que indiquem aquelas com que melhor se avizinham no espaço", explica ele.Em sua segunda edição, a mostra ganhou força - a primeira, em 2002, reuniu quatro galerias - e conta também com a participação da editora Cosac Naify, com sua coleção sobre artistas nacionais. Paralela. R. Fidêncio Ramos, 308, Vila Olímpia. De terça a domingo, das 12h às 20h. Tel: 7253-2546. Até 14/11/04. Abertura 26/09, das 15h às 18h. Entrada Franca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.