Para Simon, sociedade deve discutir programação de TV

"Nós temos que fazer um grande debate para que a sociedade discuta os caminhos da televisão. Esses caminhos não devem ser impostos pelo governo, mas, também não pelos donos de televisão", afirmou o senador Pedro Simon (PMDB/RS), presidente da subcomissão permanente de rádio e televisão do Senado, ementrevista exclusiva à Radiobrás. Para o senador, a situação da televisão deve ser debatida e analisada. "Ao longo do tempo, ficamos numa situação absolutamente incompreensível. Um problema tão importante e tão significativo na formação da personalidade do cidadão e naorganização da sociedade brasileira não pode ficar sem nenhuma determinação ou orientação", alertou. Segundo Pedro Simon, deve-se discutir questões como sexo e violência na TV para saber se a sociedade acha que está havendo ou não um exagero por parte das emissoras. De acordo com Simon, "não passa pela cabeça de ninguém a censura". Ele diz haver uma discordância de alguns meios de comunicação quanto a discussões sobre o assunto. "Eu ouvi de alguns órgãos de televisão que quando o ministro fala em ter horário para alguns tipos de programa e idade mínima isso é a volta da censura". O senador considera a TV aberta mais democrática, já que nem todos tem dinheiro para pagar a televisão a cabo. Para ele deve haver um cuidado com a TV aberta e a paga, pois, senão "haverá de um lado baixaria e vulgaridade e de outro, pessoas com dinheiro selecionando o canal que gostam", o que, na avaliação do senador, permite que alguns possam se aprofundar mais, pela TV e a Internet, enquanto outros ficam condenados à vulgaridade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.