Para rir do nosso amor de ontem

Para rir do nosso amor de ontem

/ RIO

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

Quantas peças que entraram em cartaz neste fim de semana ficarão um ano em cartaz? O feito é raro, e A História de Nós Dois, com Alexandra Richter e Marcelo Valle, conseguiu. Com texto de Lícia Manzo, indicada para o Prêmio Shell pelo trabalho, a comédia romântica já teve cerca de 230 sessões, foi vista por mais de 40 mil pessoas no Rio e deve vir a São Paulo em 2011. Na quinta, véspera do aniversário, quando os atores abriram o camarim para o Estado, tinha gente vinda até de Nilópolis, na Baixada Fluminense, a 50 quilômetros do Shopping da Gávea, onde fica o Teatro Vanucci, para rir com as desventuras do casal Lena e Edu.

"Eles vieram num dia útil, tendo que trabalhar no dia seguinte", ressalta Alexandra, realizada com o sucesso da empreitada, que encarou junto com Valle (ambos produtores, ele integrante da Cia. dos Atores) e Ernesto Piccolo, o diretor, que, de vez em quando, tem de substituir o ator (por causa das gravações da novela Viver a Vida, em que ele vive o produtor de moda Osmar).

"A novela e o Shell ajudam, mas devemos nosso sucesso ao público que divulga a peça", diz Valle, que já havia trabalhado com Alexandra em Divã, a peça baseada no livro de Martha Medeiros que chegou também ao cinema.

Foi Alexandra quem encomendou a Lícia um texto para encenar com o amigo. "Qualquer coisa que a gente fizesse daria certo. Mas esse sucesso do jeito que foi nos surpreendeu", conta ela.

A peça é irresistível e faz mistura exata de comédia e emoção. A plateia ri o tempo todo das múltiplas facetas de Lena e Edu, desde a fase em que o amor está florescendo até o desgaste do casamento e a crise que põe fim à relação.

A HISTÓRIA DE NÓS DOIS

Teatro Vanucci. R. Marquês de São Vicente, 52. 5ª a sáb., 21h30; dom., 20h. R$ 50 a R$ 70. 12 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.