Para o MinC, lei impulsiona o mercado

Ameaçado de processo na semana passada por Roberto Correa, da Abramus, o Secretário de Políticas Culturais do MinC, José Luiz Herência, disse que "não tem medo", mas que acha que é preciso "tirar o debate do terreno litigioso" e que os adversários da reforma do direito autoral querem mistificar a discussão e "interditar o debate". "Queremos fechar essa gestão com marcos legais importantes para a economia da cultura", disse Herência. Já o Chefe de Gabinete do MinC, Eduardo Mattedi, ironizou quem fala em "estatização" do direito autoral. "Não estamos aqui falando de Marx, mas de Adam Smith. Trata-se de desenvolver uma economia. Ninguém diz a Obama que ele é estatista por sua intervenção no mercado financeiro dos Estados Unidos, diz?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.