Bruno de Lima/Divulgação
Bruno de Lima/Divulgação

Para gostar de e-book

A partir de 2012, 100 livros digitais serão oferecidos pela Biblioteca Nacional

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2011 | 00h00

Enquanto no Brasil o mercado de e-books é incipiente, em metrôs, ônibus e aeroportos das grandes cidades norte-americanas e europeias é relativamente comum ver gente lendo em seus smartphones, tablets e e-readers, como antes se fazia com as edições de bolso.

Nos EUA, que vive o "verão do Kindle", a fatia do mercado está em 13,5% quando se fala em obras de ficção. Na Alemanha, segundo dados da Sociedade para Pesquisa de Mercado Consumidor, desde fevereiro foram vendidos 350 mil leitores digitais.

No Brasil, onde o acervo ainda é escasso e os aparelhos saem por no mínimo R$ 800, não há números a respeito. Nas capitais, não se vê nada parecido.

Mas a Fundação Biblioteca Nacional, à qual cabem as políticas de livro e leitura, quer olhar adiante, e realizou, durante a Bienal do Livro do Rio, o colóquio E-books e a Democratização do Acesso - Modelos e Experiências de Bibliotecas. A feira se encerra hoje à noite.

No início de 2012, o presidente da FBN, Galeno Amorim, já espera ter para empréstimo cerca de cem títulos digitalizados (literatura brasileira em domínio público). A ideia agora é aprender com a experiência de quem já vive a era digital nas bibliotecas, e pensar o modelo mais adequado à nossa realidade, seja o download ou o sistema nuvem, em que o livro fica disponível só por um período.

Aqui, inexiste esse tipo de serviço. Nem os livros de papel chegam a todos. Ainda falta atingir a marca desejada há anos: ter uma biblioteca instalada em cada um dos 5.565 municípios.

O colóquio marca os 200 anos da BN, criada numa então colônia de analfabetos para guardar a biblioteca real trazida de Portugal, e, com o tempo, transformada em centro de pesquisa. Hoje, o público tem acesso, pela internet, à parte do acervo digitalizada. "O e-book é um evento novo para todos. Não podemos ficar na rabeira. Queremos discutir qual é o melhor caminho, o que é viável", diz Galeno, ao justificar a realização dos debates.

Na Inglaterra, contou Aquiles Alencar-Brayner, curador digital (cearense) da British Library, as editoras resistem a ceder e-books para empréstimo. Mas uma lei poderá enquadrá-las ano que vem. Frank Daniel, da Biblioteca Pública de Colônia, relatou que nos últimos quatro anos foram computados 120 mil downloads de 8.600 e-books. A biblioteca oferece aplicativos para iPhones e iPads.

Essa é a Bienal mais tecnológica de todas, a primeira em que foram oferecidos "para degustação" tablets e e-readers. O espaço da Bienal Digital ficou cheio de curiosos que nunca tiveram um desses nas mãos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.