Para especialistas, Brasil e Espanha devem intensificar relações culturais

Brasília, 26 abr (EFE).- Especialistas brasileiros e espanhóis ressaltaram a sólida relação econômica e política entre os dois países e a necessidade de estender esses laços a outras áreas em um seminário que teve início nesta terça-feira em Brasília.

Efe,

26 Abril 2011 | 13h22

O encontro foi organizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) e pela Fundación Carolina e reunirá durante dois dias diplomatas, acadêmicos e empresários dos dois países, que no primeiro dia do evento destacaram a crescente relação que existe entre Brasil e Espanha no âmbito econômico.

A Espanha é atualmente o terceiro maior investidor estrangeiro no Brasil, com capitais acumulados em US$ 60 bilhões, que em termos líquidos representam 28% de todo o investimento espanhol na América Latina.

O embaixador espanhol no Brasil, Carlos Alonso Zaldívar, destacou no seminário que, há apenas duas semanas, o grupo Telefónica anunciou novos investimentos no valor de US$ 14 bilhões no Brasil para o período 2011-2014.

"Anúncios desse tipo não são feitos todos os dias nem em qualquer lugar", destacou o diplomata.

Zaldívar utilizou as normas utilizadas por algumas agências de risco para avaliar as relações bilaterais em diversas áreas e classificou as econômicas com "AAA".

Também qualificou com "AAA" as relações culturais, embora tenha ressaltado que ainda é necessário um maior esforço para "aproximar mais as sociedades" através de uma maior troca acadêmica e profissional.

Nesse mesmo sentido se expressou o diretor da Flacso no Brasil, Pablo Gentili, quem admitiu que a cooperação entre ambos os países nos âmbitos científico e acadêmico "não é tão evidente" nem reflete o potencial que existe, apesar de ter crescido nos últimos anos.

O seminário terminará na quarta-feira com uma jornada dedicada precisamente à análise das relações culturais, acadêmicas e científicas. EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.