Para animar a festa

Ao completar 20 anos, o Anima Mundi faz retrospectiva e entra para o hall dos festivais do Oscar

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2012 | 03h10

Se animação já não é programa de criança há muito tempo, o Anima Mundi também chegou à maioridade. Aos 20 anos, o festival que já passou pelo Rio e começa hoje em São Paulo, no Memorial da América Latina, entra para o seleto clube dos festivais mundiais que classificam filmes para o Oscar. A partir deste ano, o curta vencedor da principal mostra competitiva do festival ganha o direito de se inscrever para concorrer à estatueta da Academia. "Não é tão difícil assim. E o festival merece. É importante. Tem qualidade e variedade. E tem coisa mais bacana que poder ir a um evento assim e descobrir novos talentos?", comenta Ron Diamond, criador da Acme Filmworks, produtora premiada que, entre tantos, realizou o curta indicado ao Oscar Nibbles (2003). Não por acaso, Diamond é um dos destaques da lista de convidados do Fórum Animado, grupo de discussões que debate o que há de mais novo no mundo da animação.

Representante da Academia, votante e entusiasta da causa, Diamond foi ao Rio (onde o festival ocorreu até o domingo) ministrar a palestra Mirando no Oscar. Basicamente, ele deu aos brasileiros uma aula sobre como colocar um curta na lista dos concorrentes ao Oscar. "Primeiro, faça um filme que a Academia goste", brincou. Para também ensinar ao público qual filme que agrada à Academia, criou a seção especial: Think Oscar®!

Ao todo, são quatro programas que trazem os filmes premiados, indicados, inscritos mas não indicados e os que não foram inscritos mas que mereciam entrar no páreo. É rara oportunidade de conferir o estranho e belo The Lost Thing, que levou a estatueta em 2010, o singelo e genial La Maison en Petits Cubes, vencedor de 2009.

Outro membro da Academia é destaque nesta edição: Rodrigo Teixeira. Supervisor de efeitos visuais de A Invenção de Hugo Cabret, o gaúcho de Bagé foi um dos maiores responsáveis pelo Oscar que o filme de Martin Scorsese levou nesta categoria. Em um Papo Animado, na sexta, Teixeira vai falar de seus planos em abrir uma filial de sua produtora, com base em Hollywood, em São Paulo, além de mostrar ao público os bastidores da criação de seus principais trabalhos. Entre eles, além de Hugo, Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton,

Para celebrar a maturidade, o Anima ainda traz uma retrospectiva com os curtas vencedores nestes 20 anos de festival.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.