Pancada à beça em besouro

Na linha seriado que vai ao cinema, a novidade da semana é O Besouro Verde, de Michel Gondry (diretor de Rebobine, por Favor), aventura em 3D que estreia hoje.

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2011 | 00h00

O enredo, os fãs já conhecem de longa data - o dono de jornal Britt Reid (Seth Rogen) decide lutar contra o crime organizado depois que seu pai é assassinado. Para ajudá-lo, arruma um fiel escudeiro, mestre em artes marciais, Kato (Jay Chou). A série existe, em forma radiofônica, desde os anos 1930. Nos anos 60, na TV, ficou famosa com o mitológico Bruce Lee interpretando o oriental bom de briga (leia texto ao lado).

No filme moderno não temos Bruce Lee. Em compensação, há um dilúvio de efeitos especiais, que podem impressionar quem gosta de pancadaria, vidros quebrados e perseguições de carros. Do ponto de vista adulto e masculino, o melhor dos efeitos especiais é Cameron Diaz, na glória dos seus 30 e tantos anos, E no papel de uma secretária sexy e esperta.

Além de tudo isso, há o estilo meio ostensivo de Gondry presente na atual versão. O filme tem lá sua graça em alguns momentos. Pode divertir de forma moderada. O gosto de Gondry pelo estranho às vezes tira a história da rotina. Mas, claro, aqui ele não pode dar vazão à sua veia, digamos, "autoral", porque o cinema de mercado não se permite certas brincadeiras, toleradas em produtos de orçamento modesto. Nesse caso, há muita grana em jogo e, dessa forma, o que sai dos eixos é cuidadosamente vigiado para que não extrapole. É um fator de limitação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.