Paloma Duarte é boa aposta para prêmio

Ainda faltava ser exibido um dos filmes mais aguardados da competição - Não Se Pode Viver Sem Amor, de Jorge Durán. Mas ontem pela manhã já era possível arriscar algumas premiações.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2010 | 00h00

A própria apresentadora do Cine PE, Graça Araújo, ao se despedir de Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi, depois que a dupla apresentou As Melhores Coisas do Mundo na quinta, cometeu o que talvez fosse um ato falho, ou simplesmente a manifestação de um desejo. Ela disse: "Até domingo." Ou seja, espera ver a dupla amanhã à noite, de volta ao palco do Cine-Teatro Guararapes, no encerramento do evento, para receber seus Calungas.

As Melhores Coisas é bom candidato em várias categorias, mas em algumas parece imbatível. Melhor roteiro (Bolognesi), melhores ator e atriz coadjuvantes (Denise Fraga e Gustavo Machado).

Durán sempre dirige bem suas atrizes, mas Paloma Duarte é uma força para o Calunga de interpretação feminina por Léo e Bia, o longa de estreia de Oswaldo Montenegro. Pode-se não gostar de Sequestro, de Wolney Atalla, mas o público do Recife amou. Independentemente de se gostar, ou não, a montagem de Marcelo Moraes é espetacular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.