Palestras debatem passagens do século

Mil anos atrás, o mundo tentava entender o que se passava no fim do milênio. Hilário Franco Júnior, professor do Departamento de História da Universidade de São Paulo e autor de O Ano 1000: Tempo de Medo ou de Esperança?, dá início amanhã a um ciclo de palestras sobre o significado que a humanidade deu a algumas das passagens de século pelas quais passou.Franco Júnior diz que não pretende repetir o que escreveu em seu livro: primeiro, para não incomodar quem o leu; segundo, para não resumir o seu conteúdo para aqueles que ainda pretendem lê-lo. Assim, vai destacar, entre os assuntos de que tratou na obra, duas heresias do período - e tratá-las mais profundamente: uma de um camponês da região da Borgonha, chamado Leotardo, e outra de um nobre que vivia nas imediações de Turim, Geraldo de Monteforte."Na virada do século 20 para o 21, há uma série de transformações políticas, econômicas e culturais que acabam sendo sintetizadas na palavra globalização", diz Franco Júnior. "Na virada do ano 1000, as mudanças recebiam o nome de feudalização; do mesmo modo que ocorre hoje, havia aqueles que a legitimavam e os que expressavam seus descontentamentos". Como nessa época o debate se dava por meio do discurso religioso, os elementos que se opunham às mudanças acabavam por utilizá-lo - e também eram acusados por meio dele.Entender o que os segmentos marginalizados pretendiam ajuda também a compreender como se estruturava o pensamento dominante. Nas duas heresias se propunha uma redivisão das riquezas, um questionamento da validade dos sacramentos e uma resistência ao poder conferido a imagens sagradas, questão que ainda hoje faz parte do debate entre os cristãos.Os encontros ocorrem às segundas-feiras na Fnac, em São Paulo, Avenida Pedroso de Morais, 858, tel.: 11 3097-0022), às 19h. O ciclo é promovido pela livraria e pela editora Companhia das Letras, que promove a coleção Virando Séculos.Na semana que vem, a palestrante é a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro Jaqueline Hermann, autora de 1580-1600: O Sonho da Salvação. No dia 13, estão previstas as presenças de Laura de Mello e Souza e Maria Fernanda Baptista Bicalho, autoras de 1680-1720: O Império Deste Mundo. Ainda estão marcadas palestras de Luiz Carlos Villalta (20/11), Lilia Moritz Schwarz e Angela Marques da Costa (27/11) e Nicolau Sevcenko (4/12).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.