Palestra para entender Mahler

Muitos pesquisadores da vida e obra de Gustav Mahler consideram a Oitava Sinfonia, apelidada de Sinfonia dos Mil, como o ponto culminante de sua caminhada rumo à concretização da "sinfonia como um mundo". Portanto, é indispensável assistir à palestra de Jorge de Almeida hoje na Sala São Paulo, na série Música na Cabeça, iniciativa conjunta da Osesp com o Estado, para nos prepararmos para os três concertos da próxima semana em que esta obra monumental será executada por três coros, oito solistas e a Osesp, regidos pelo maestro russo Gennady Rozhdestvensky.

JOÃO MARCOS COELHO, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2011 | 03h02

Os textos das palestras anteriores de Almeida sobre Mahler estão disponíveis no site da Osesp, mas é interessante curtir a série de programas que ele realizou na Rádio Cultura FM, disponíveis em podcast no site da rádio. O texto escrito, afinal, sempre exige mais do leitor do que a fala ao vivo. Por isso, vale a pena ouvir os seus programas na Cultura FM assim como os registros gravados em áudio de suas palestras anteriores no site da Osesp.

No ensaio já publicado sobre a Oitava Sinfonia, Almeida afirma que a obra "deslumbra e constrange", porque "permanecemos todos sentados, ouvindo a prece com suspeita e com os pés bem firmes no chão", ao ouvirmos quando "o órgão sustenta o primeiro acorde e o enorme coro invoca o espírito criador, uma espiral de vozes, arcos, sopros e golpes parece alcançar os céus, exaltando a salvação prometida nos textos".

Saudavelmente, Almeida nos propõe uma dupla ferramenta para nos aproximarmos dessa obra-prima que qualifica de "apoteose paradoxal", a única sinfonia coral do começo ao fim, como Mahler fazia questão de salientar: 1) "nossa época", diz Almeida, "desconfia de tudo isso e o apelo a uma 'redenção pelo amor' soa descabido como os exageros do romantismo tardio"; 2) mas também se deslumbra com sua grandiosidade e por isso Almeida, ao mesmo tempo, aconselha: "Devemos nos perguntar para que atentar aos detalhes, se o todo nos arrebata e confunde?".

Uma grandeza cósmica construída sobre duas imensas partes corais-sinfônicas cantadas em duas línguas - latim e alemão - e com versos retirados de obras a mil anos de distância. A Oitava Sinfonia é o ponto de chegada que Mahler estabeleceu desde a Sinfonia n.º 1, pois nela "planetas e sóis giram uns sobre os outros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.