"Paixão de Cristo" depende de parceiros

Há 12 anos, a cidade de Piracicaba promove, na Semana Santa, o espetáculo Paixão de Cristo, uma montagem vultuosa em que mais de mil pessoas, entre atores e figurantes, encenam durante duas horas os últimos dias de Jesus na Terra, ou seja, período que se estende da invasão da Judéia pelos Romanos até a Ressureição de Cristo. A narrativa conta com uma seqüência de 45 cenas em 15 palcos-cenários montados em um espaço cênico de 8.500 m2, uma empreitada coordenada pela Associação Cultural e Teatral Guarantã e pelo diretor de teatro João Prata, e que tem o respaldo das Secretarias de Ação Cultural e de Turismo, órgãos da Prefeitura da cidade.A idéia dessa montagem surgiu em 1989, quando o grupo Guarantã estava se desenvolvendo. Neste mesmo ano, foi feita a primeira encenação da peça, que tinha um elenco composto por apenas 50 pessoas. "Como Guarantã é o nome de uma árvore de madeira muito forte, pensamos em montar um espetáculo que fizesse perdurar o nome do grupo, que pudesse expressar uma cultura permanente", explica Dilney de Campos, presidente da Associação. Nessa fase inicial, um caminhão funcionava como palco da peça. A partir do terceiro ano, quando João Prata, prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de melhor diretor teatral em 1990, foi convidado para dirigir Paixão de Cristo, o espetáculo começou a crescer, o que podia ser notado pelo aumento a cada ano da arquibancada de espectadores. Para este ano, a arquibancada tem capacidade para oito mil pessoas e o objetivo dos coordenadores do evento é expandi-lo cada vez mais utilizando novos efeitos e recursos já que a história é a mesma todos os anos. Sincronização dos personagens em cena, 60 animais, cavalaria composta por 50 cavalos, artistas cuspindo fogo, bailarinos, entre outros artifícios são utilizados para atrair público.Essa 12ª apresentação de Paixão de Cristo ocorrerá entre os dias 8 e 15 de abril ( entre o Domingo de Ramos e o Domingo de Páscoa), sempre às 20 horas, no Parque Engenho Central, localizado às margens do Rio Piracicaba. O orçamento total aprovado pelo governo para as oito apresentações é de R$ 403 mil. Entretanto, somente R$ 150 mil foram conseguidos por meio de patrocínios da Caterpillar do Brasil Ltda., Belgo Mineira, Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) e do Banco Banespa.Os interessados em investir no evento, reconhecido como melhor espetáculo do gênero em todo o País, terão como retorno a associação de sua marca nos 5000 cartazes, nos folders distribuídos todas as noites de espetáculo, bem como nas camisetas que serão vendidas e usadas por todos os integrantes e coordenadores. Informações pelo telefone é (19) 432 - 3448.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.