Paixão da juventude é tema de "Começar de Novo"

É possível recuperar a paixão da adolescência na maturidade? Essa é a questão central de Começar de Novo, nova novela das 19 horas, da Rede Globo, que estréia hoje. A trama substituirá Da Cor do Pecado, dona da melhor audiência do horário nos últimos 10 anos, com média final de 43 pontos de audiência na Grande São Paulo. O autor Antônio Calmon e o diretor de núcleo Marcos Paulo, também protagonista da nova história, negam a cobrança, mas tomam cuidados para não escorregar na audiência, como aconteceu com O Beijo do Vampiro, última produção da dupla, que fechou com saldo de 28 pontos de média. A primeira providência foi dar co-autoria a Elizabeth Jhin, que é da equipe de Calmon há anos. "Ela cuida das personagens femininas, para cativar as mulheres maduras, que se sentiram abandonadas na minha novela anterior", declara o autor, que comanda seis profissionais. Foi dele a idéia de reconduzir Marcos Paulo à categoria de galã, abandonada quando o ator passou para trás das câmeras, embora tenha participado de outras novelas (a última foi Despedida de Solteiro, de 1992/93). Começar de Novo transfere o romance O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, para Ouro Negro, outro balneário fictício de Calmon. Marcos Paulo é Andrei/Miguel Arcanjo, que perdeu tudo, até a memória, e volta para retomar o que é seu, inclusive o amor da adolescência, Letícia, vivida por Natália do Valle. Quem também volta às novelas é Marília Pêra. Depois de quase uma década, a atriz aparece como a Vó Doidona, fazendo par com Luiz Gustavo. A eles está reservada a crença nos E.T.s do enredo. Os dois não contracenavam desde Beto Rockfeller, nos anos 60, e vivem um casal hippie. "Ele é um amor e a gente se diverte muito nas cenas. O autor nos fez um casal de meia-idade, mas com vida sexual plena", conta Marília. Os dois têm um filho, Sidarta, Cássio Gabus Mendes, sobrinho de verdade de Luiz Gustavo. A dupla Calmon/Marcos Paulo mantém em Começar de Novo o tom leve de comédia de costumes, com toques de misticismo e magia, mas desta vez, os protagonistas vão sofrer muito. "No início haverá drama, pois o personagem principal volta para se vingar", avisa o ator/diretor. "Ele não age diretamente contra as pessoas, mas arma as coisas de uma forma que elas caiam na própria maldade."

Agencia Estado,

30 de agosto de 2004 | 12h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.