Painel de Portinari é exposto ao público na Bahia

Um dos mais belos e monumentaispainéis de Cândido Portinari, A Chegada da Família Real à Bahiaem 1808, encontra-se exposto permanentemente na sala dadiretoria da Associação Comercial da Bahia, mas é praticamentedesconhecido do público. Encomendado pelo extinto Banco da Bahiaem 1952, a obra faz parte da fase muralista de Portinari. Foiemprestado por comodato há anos pela Família Mariani,proprietária do banco, à Associação Comercial, mas agorapesquisadores, como a diretora do Museu de Arte da Bahia SylviaAtaíde, querem aproveitar as comemorações do centenário dePortinari para expor o painel pelo menos por algum tempo nummuseu da cidade. "O quadro é uma aula de pintura e história",resume. A Chegada da Família Real à Bahia em 1808 suscitapolêmica desde que foi mostrado ao público pela primeira vez,nos anos 1950. Críticos cariocas e baianos observaram alguns"erros" na cena retratada. A comitiva Real foi pintada nasimediações do largo da Igreja da Conceição da Praia, na CidadeBaixa. A localização dos edifícios da área não corresponde aoreal, "nem nunca se viram navios com tal abundância deescotilhas", escreveu um deles. Na época, em defesa de Portinario crítico de arte José Valladares, diretor do Museu do Estado,redigiu uma crônica publicada no Diário de Notícias de Salvadorrasgando elogios à obra. "A intenção foi realizar uma pintura emescala monumental em que as preocupações de ordem plástica epictórica sobrepõem-se às demais", disse, destacando a "rígidaorganização espacial" do painel, obtida, prossegue "mediante osrecursos mais simples de perspectiva e de composição". Valladares salienta ainda o belo colorido da cena. "Eletransformou o acontecimento no que se costuma chamar ´uma festapara os olhos´." O crítico explica que, na obra, Portinari deuum exemplo de como é possível conciliar o que há de melhor noabstracionismo - suas virtudes puramente plásticas - com umobjetivo que mergulha suas raízes na realidade histórica. Medindo 3,82 m de altura por 5,80 m de largura, o paineltoma toda a parede esquerda da sala da diretoria da AssociaçãoComercial, acanhando a dependência. Esse também é um dosargumentos dos que defendem a transferência da obra, para queela seja acomodada num recinto mais amplo, permitindo uma melhorvisão. O local fica aberto à visitação pública diariamente de segunda asexta-feira, das 8h30 às 17 horas", esclarece. Ela achaimportante manter o quadro naAssociação Comercial, entre outros motivos, por causa do projetode revitalização do Bairro do Comércio, antigo centro bancárioda cidade que vem experimentando uma fase de decadência nosúltimos anos, em conseqüência da saída de muitas empresas dolocal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.