Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Painéis de Portinari voltam ao Municipal do Rio

"Guerra" e "Paz", principais murais de Portinari, pintados no Rio em 1955 e 1956 sob encomenda para a entrada da sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York, estão de volta à cidade, e em seu primeiro ponto de exibição: o Teatro Municipal.

AE, Agência Estado

20 de dezembro de 2010 | 09h33

No fim de semana, dividiram o palco com a Sinfônica Brasileira e a orquestra e o coro do Municipal, no fechamento da programação do teatro de 2010. Não estavam visíveis ao público, que poderá admirá-los a partir de quarta-feira, das 10 às 22 horas (a cada 2 horas, gratuitamente, mediante retirada de senha). Amanhã, serão "reinaugurados" pelo presidente Lula, cuja diplomacia ajudou o Projeto Portinari a trazê-los para restauro e exibição. Ficarão no palco até o dia 30, à exceção dos dias 24 e 25.

No início de 56, antes de seguirem para os Estados Unidos, os painéis, que somam 280 m², provocaram uma corrida ao teatro: os cariocas queriam conferir o presente do governo brasileiro à ONU. Agora, espera-se o mesmo. Não são só a monumentalidade e força das imagens de desespero, em "Guerra", e de esperança, em "Paz", impressionam, mas também a história da pintura.

Portinari (1903-1962) já sofria efeitos da intoxicação por tintas que o mataria, teve de trabalhar num galpão de Botafogo sob temperatura de 40ºC. Ao ver as obras sendo desencaixotadas no Municipal, João Cândido, que, adolescente, acompanhou o trabalho do pai, relembrava: "Ele desobedeceu às ordens médicas porque era a maior oportunidade de mostrar sua mensagem de paz. Estou muito emocionado." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
patrimônioPortinariRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.