Pai de menino adotado por Madonna pede notícias do garoto

O pai do menino malauiano adotado por Madonna quer saber notícias do filho, afirmou um jornal nesta terça-feira. "Não tenho o telefone nem o endereço dela. Só quero descobrir como vai meu filho, mas não sei como", disse Yohane Banda ao jornal Daily Times, do Maláui. "Só falei com ela uma vez, na Alta Corte, e quero falar com ela agora para saber do meu filho." O pai de David Banda, de um ano, deu as declarações depois que o jornal entregou a ele um cheque de quase US$ 800 enviado pela freira escocesa Christine Webster. Para a religiosa, o menino deveria ter ficado no Maláui. A adoção do menino por Madonna ocupou manchetes dos jornais no mundo todo, e alguns grupos de defesa dos direitos humanos questionaram se a cantora usou seu poder para burlar as leis que regulamentam a adoção de malauianos por estrangeiros. Madonna assinou os papéis provisórios de adoção quando ela e o marido, o cineasta Guy Ritchie, estiveram no país em outubro, numa missão para ajudar os órfãos do Maláui. Monitoramento Segundo a decisão provisória, a criança ficaria com Madonna por um ano e meio, e durante esse período a família seria monitorada por autoridades malauianas, para que seja emitida uma aprovação formal para a adoção. A ordem da Alta Corte irritou grupos ativistas, que a consideraram ilegal e recorreram judicialmente. Desde então, o tribunal garantiu aos grupos o direito de participar dos procedimentos de adoção do garoto. A cantora ficou aliviada com a decisão, porque com ela os grupos não ameaçaram diretamente a adoção. A polêmica sobre o caso chamou atenção para o drama dos órfãos do Maláui. Mais de 900 mil crianças são órfãs no país e outras 500 mil perderam pelo menos um progenitor. Banda negou que queira o menino de volta e pediu aos grupos de defesa dos direitos humanos que não interfiram em suas tentativas de falar com Madonna. "Só quero descobrir como vai o meu filho, e não pegá-lo de volta", disse, segundo o jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.