Pai de Heath Ledger promete cuidar de neta

O pai de Heath Ledger prometeu que vaicuidar da filha e ex-companheira do ator falecido recentemente,apesar de as duas não serem citadas em seu testamento, e apeloua sua família, na segunda-feira, para manter sigilo em torno doassunto. Um testamento registrado num tribunal de Manhattan teriasido feito por Ledger cerca de três anos antes do nascimento desua filha Matilda, de sua ex-companheira Michelle Williams, eprevê que seus pais e sua irmã herdem todo seu patrimônio. Heath Ledger, 28 anos, morreu em seu apartamento em NovaYork em 22 de janeiro de uma overdose de medicamentos. Ele seseparou da atriz Michelle Williams, 27, em setembro do anopassado. Mas após a divulgação do testamento, no fim de semana, seupai, Kim Ledger, se apressou a divulgar um comunicado dizendoque a família dará todo o apoio a Williams e Matilda, que tem 2anos de idade. "Matilda é nossa prioridade absoluta, e Michelle é membrointegral de nossa família", disse o comunicado divulgado pelamídia australiana. "Elas serão cuidadas, e é assim que Heath teria desejadoque fosse feito." Mas Kim Ledger divulgou na segunda-feira outro comunicadoatravés da porta-voz da família, Aden Cassidy, depois de seusirmãos Mike e Haydn, com quem não mantém contato, terempublicamente aconselhado Michelle Williams a buscar conselhoslegais e acusado seu irmão de administrar mal o patrimônioherdado do avô deles. "Neste momento de extrema dificuldade em nossas vidas,quando choramos a morte de nosso filho querido, é triste quemembros da família de quem estamos distanciados comentempublicamente assuntos dos quais não tiveram conhecimento nopassado e não têm hoje", disse Cassidy no programa Sunrise, doChannel Seven. "Pelo bem de Matilda, esperamos que eles mantenham umaatitude digna." A morte de Heath Ledger, conhecido sobretudo pelo papel decaubói gay repleto de conflitos em "O Segredo de BrokebackMountain", de 2005, chocou fãs e outros atores em todo o mundo,motivando avisos sobre os perigos de se misturar medicamentosreceitados por médicos, especialmente analgésicos, comtranquilizantes e sedativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.