Paço das Artes faz coletivas do eixo Rio-São Paulo

Amanhã à noite haverá um triplo vernissage no Paço das Artes. Além da mostra individual do carioca Luiz Cavalheiros, artista selecionado do Programa Anual de Exposições da instituição dedicada à arte contemporânea, serão inauguradas duas exposições coletivas com interessantes abordagens curatoriais, que apresentam o trabalho de jovens artistas dos dois lados do eixo Rio-São Paulo.Com curadoria de Nelson Leirner, Humor Negro no Universo Feminino não é apenas uma interessante oportunidade de conhecer o trabalho de seis artistas que trabalham no Rio e que começam agora a entrar no circuito. A obra de Ana Laet, Bet Olival, Jacqueline Vojta, Liliana Ribeiro, Mara Martins e Nathalie Nery têm em comum um certo caráter narrativo, a preocupação em abordar questões políticas e sociais como a chacina no presídio do Carandiru, a perversa relação entre sexualidade e morte ou a alusão sutil a aparelhos de tortura.Não contente em apenas mostrar um conjunto de experiências formalmente e plasticamente bem resolvidas, Leirner - que orientou todas elas e acompanhou de perto seu trabalho - acabou concebendo uma exposição tão provocativa quanto o próprio trabalho. A exposição nasceu de sua constatação de que a mulher não tem humor e ganhou corpo quando verificou que a maioria dos trabalhos tinham tendência para o preto, para o escuro. "Daí nasceu o jogo, mas, dessa vez, colocando essa coisa do humor negro", diz ele.Outra característica interessante dessa exposição é que ela não cai nos estereótipos do feminino nem num discurso supostamente feminista. Há elementos do universo feminino, mas não sua banalização.Em Obras - A contraposição paulista no calendário do Paço das Artes é a mostra Em Obras, uma ação coletiva no sentido mais preciso da palavra, já que todos os trabalhos propõem uma interação com o espaço que os abriga. A idéia de José Fujocka, Maria Helena Baracat, Luciana Molisani, Eduardo Ruegg, Lynn Carone e Lucrécia Couso é discutir o museu e seu entorno - a Cidade Universitária da USP.Eles "driblam a distância, desvendam as proximidades, evidenciam obstáculos, descobrem atalhos, estudam os caminhos e induzem aproximações que trazem e levam, aproximam ou separam os visitantes e freqüentadores do Paço das Artes", explica Carla Zaccagnini no texto de apresentação da mostra. O título, Em Obra, também é uma referência ao espaço, que vem passando por reformas.As linguagens utilizadas são as mais distintas, como a instalação com uma máquinas de fax apresentada por José Fujioka, mas há um predomínio impressionante da fotografia, que a cada dia que passa vai tornando-se o principal instrumento de criação artística contemporânea.Único artista a realizar uma individual no espaço da Cidade Universitária, Luiz Cavalheiros também utiliza a fotografia em seu trabalho. É com ela que ele consegue registrar o momento de passagem entre os diferentes estágios da natureza, fenômeno que simboliza por meio do processo de derretimento de um relógio de sol feito de gelo.Humor Negro no Universo Masculino - De segunda a sexta, das 13 às 20 horas; sábado e domingo, das 14 às 19 horas. Paço das Artes. Avenida da Universidade, 1, tel. 813-3627. Até 22/7.Luiz Cavalheiros - De segunda a sexta, das 13 às 20 horas; sábado e domingo, das 14 às 19 horas. Paço das Artes. Avenida da Universidade, 1, tel. 813-3627). Até 2/7.Em Obra - De segunda a sexta, das 13 às 20 horas; sábado e domingo, das 14 às 19 horas. Paço das Artes. Avenida da Universidade, 1, tel 813-3627. Até 1.º/7.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.