Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Outra carta da Dorinha

Recebo outra carta da ravissante Dora Avante. Dorinha continua à frente da sua ONG (ou, como ela chama, “ONG soit qui ma y pense”) as Socialites Socialistas, que luta pela implantação no Brasil do socialismo na sua etapa mais avançada, que é restauração do tzarismo

Luis Fernando Verissimo, Impresso

16 de novembro de 2017 | 03h00

Recebo outra carta da ravissante Dora Avante. Dorinha continua à frente da sua ONG (ou, como ela chama, “ONG soit qui ma y pense”) as Socialites Socialistas, que luta pela implantação no Brasil do socialismo na sua etapa mais avançada, que é restauração do tzarismo. Dorinha, inclusive, já descobriu um garçom em Braz de Pina descendente dos Romanov que aceita ser tzar pelas gorjetas e desde que conte tempo para o INPS . A ONG é financiada pelo seu quarto marido, cujo nome ela ainda não decorou. Dorinha não revela sua idade. Diz que pegou, sim, o Getúlio Vargas no colo, mas que ele já era presidente na ocasião. E nega que tenha introduzido o biquíni nas praias brasileiras, fazendo o Padre Anchieta errar a métrica. Depois de tantas plásticas Dorinha está pensando em fazer um teste de DNA para saber se ela ainda é ela, pois desconfia que só o que sobrou de autentico foi o botox. Dependendo do resultado do teste, ela se lançará como candidata a presidência da Republica e... Mas deixemos que a própria Dorinha nos conte. Sua carta veio, como sempre, escrita com tinta lilás em papel violeta, cheirando a “Mange Moi”, um perfume proibido em muitos países.

“Caríssimo! Beijos catetéricos. Sim, minha campanha está nas ruas, seguida, por enquanto, apenas por cachorros. Nas pesquisas, estou empatada com os que não sabem ou não quiseram opinar, mas as pesquisas ignoram um grande segmento da população, formado pelos meus ex-maridos. Para concorrer em 2018 só sobrarão candidatos que a Odebrecht não quis comprar, o que nos leva a desconfiar que têm algum defeito. Restarão candidatos tão chatos que quando falam em comícios o público aplaude microfonia. Estou ditando esta carta de dentro de uma banheira jacuzzi e quem escreve é o meu personal Silvester, que só tem dois problemas com o português, as vogais e as consoantes. Estou pronta para concorrer! Ponto de exclamação, Silvester. Aquele ponto com topete. Conto com os votos dos que não querem o Lula mais na presidência mas também ninguém muito Alckimin. Como se não bastasse tudo isso, tem um redemoinho desta jacuzzi que está começando a ficar muito íntimo, reticências. Três pontinhos, Silvester.

Da tua Dorinha”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.