Ayrton Vignola/ AE
Ayrton Vignola/ AE

Osesp estreia 1ª temporada criada sob nova direção artística e regência

Com Artur Nestrovski e Marin Alsop, agenda de 2012 ganhou tema 'Música em Tempos de Guerra e Paz'

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2011 | 03h06

A Osesp anunciou na tarde desta quarta-feira, 19, a sua temporada 2012 - a primeira completamente feita sob os auspícios da nova direção artística, posto que Artur Nestrovski assumiu no ano passado, e já com a maestrina norte-americana Marin Alsop como regente titular. Serão 35 semanas de programação, ao longo das quais estarão espalhados 124 concertos, entre apresentações da orquestra, dos seus grupos de câmara e recitais. Pela primeira vez, a agenda ganha um tema - Música em Tempos de Guerra e de Paz; a orquestra passa a ter um artista residente - o violoncelista Antonio Meneses; e incorpora à programação ciclos completos - as sinfonias de Brahms e Bernstein.

"A presença de um tema é parte do esforço de fazer com que toda nossa atividade dialogue de maneira mais ampla e constante com a vida da cidade, do País, do mundo. Não se trata apenas do prazer do concerto, mas também de participar ativamente do debate cultural, para o qual a Osesp pode contribuir. É claro, trata-se de um tema aberto bastante para evitar uma rigidez na programação. E ele permite pontos de contato entre as nossas diversas séries: os concertos sinfônicos, corais, de câmara, os recitais", diz Nestrovski.

 

O diálogo entre as séries também se dá pela nova figura do artista residente. "É uma ideia bastante comum lá fora, mas é a primeira vez que se faz aqui. Todo ano teremos um brasileiro ou estrangeiro que possa desenvolver trabalhos mais frequentes e significativos com a Osesp. O Meneses vai, além de tocar com a orquestra e estrear uma nova obra de Marco Padilha, dar um recital e fazer música de câmara com integrantes da orquestra." Outro ponto de contato é a manutenção da figura, instituída em 2011, do compositor transversal, que terá obras tocadas ao longo de toda a nova temporada: depois de Arvo Part é a vez do russo Alfred Schnittke. "Poucos viveram a questão da guerra e da paz na pele como ele, músico de primeira grandeza que merece ser mais bem conhecido."

Ainda no que diz respeito aos compositores, a Osesp escolheu o finlandês Magnus Lindberg como residente e, em parceria com a Filarmônica de Los Angeles e a Orquestra de Birmingham, vai estrear uma obra do compositor mexicano Enrico Chapela, um concerto para violoncelo elétrico. "Além da parceria com outros grupos, importante em si, estrear a obra de um autor mexicano é fundamental para que a Osesp assuma o papel da grande orquestra latino-americana", diz Nestrovski. Entre os brasileiros, o grupo fará estreia de Aylton Escobar, cujas obras serão gravadas pelo Coro da Osesp; Clarice Assad escreve a fantasia sobre o Hino Nacional; e o flerte dos últimos anos com o universo popular vira relacionamento, com a encomenda de um concerto para dois violões a Paulo Bellinatti, de uma peça para acordeão e cordas a Toninho Ferragutti e de um arranjo sinfônico de peças de Chico Buarque a seu maestro, Luiz Cláudio Ramos. "A Osesp tem de se abrir, não precisamos fechar portas. A riqueza da música popular brasileira é reconhecida lá fora, precisamos aceitá-la aqui dentro também", diz Nestrovski.

Além dos ciclos completos das sinfonias de Brahms e Bernstein, a Osesp fará "miniciclos" dedicados aos concertos para piano de Mozart (serão cinco) e às sinfonias de Shostakovich (da n.º 5 à n.º 8). Entre outros destaques da programação, estão as Quatro Últimas Canções, de Strauss (Anne Schwanewilms), A Canção da Terra, de Mahler (Celso Antunes), a Sinfonia Ameríndia (Isaac Karabtchevsky) e o Momoprecoce, de Villa-Lobos (Alsop e Nelson Freire). A nova titular, Marin Alsop, rege 11 programas - e, ao contrário do antecessor Yan Pascal Tortelier, agora regente de honra, parece ter se entregado à descoberta do repertório brasileiro e vai reger, além de Villa, Guarnieri e Francisco Mignone. Ainda entre os maestros, quatro estreantes (entre eles Carlo Rizzi) e muitos retornos, como Carlos Kalmar, Giancarlo Guerrero e Louis Langrée. Igual proporção entre os solistas: quatro estreias, com destaque para o pianista Andras Schiff num recital que inclui a Sonata opus 111 de Beethoven. Ainda não há previsão de tranmissões de concertos pela internet, prática iniciada em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.