Osesp abre com mahler série de palestras

Em parceria com o Estadão, ciclo também terá encontros e debates

João Luiz Sampaio, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2010 | 00h00

Uma palestra do filósofo Jorge de Almeida abre amanhã na Sala São Paulo o projeto Música na Cabeça, parceria da Sinfônica do Estado de São Paulo com o Estadão. Professor da Universidade de São Paulo, Almeida vai falar sobre a obra do compositor austríaco Gustav Mahler, de quem são lembrados em 2010 os 150 anos de nascimento.

"O projeto nasceu do desejo de ampliar ao máximo o papel da Sala São Paulo como centro de excelência não apenas de interpretação musical, mas também de produção de reflexão sobre a música", explica o diretor artístico da Osesp Artur Nestrovski. "Queremos pensar a sala como um centro cultural mais amplo, ainda que dedicado prioritariamente à música. E, para realizar esse objetivo, encontramos eco no momento vivido pelo Estadão, que acaba de lançar seu novo projeto gráfico e editorial."

O Música na Cabeça está dividido em três iniciativas - palestras, encontros e debates. "As palestras nascem um pouco a partir da temporada da orquestra, das tônicas da programação. São fruto desse desejo não apenas tocar, mas também inserir a orquestra no debate cultural da cidade e do País. E isso se faz pensando, refletindo sobre o que se realiza musicalmente aqui dentro, no dia a dia da orquestra", explica Nestrovski. Depois da conversa sobre Mahler, já estão marcadas para este ano palestras de José Miguel Wisnik sobre Chopin (maio) e de Vladimir Safatle sobre Debussy (agosto).

"Já os encontros têm um perfil menos formal, o objetivo é dar ao público a chance de ter contato e de conversar com os artistas que visitarão a Sala este ano. Em abril, por exemplo, teremos a pianista Cristina Ortiz; em outubro, uma oportunidade única e especial para público e alunos de composição de conversar com o compositor Osvaldo Golijov; e, em dezembro, será a vez de um bate-papo com o regente titular da Osesp, o maestro francês Yan Pascal Tortelier."

Por fim, os debates. "Aqui, a ideia é estabelecer um fórum de discussão sobre alguns dos principais temas da música de hoje, não necessariamente atrelados à programação da Osesp. Neste primeiro ano, está prevista a realização de um debate, a princípio sobre as relações entre música e tecnologia. "Ao todo, portanto, serão sete eventos. Achamos que é um bom número para este primeiro ano. Teremos a chance de ver a resposta do público e estudar maneiras de ampliar a programação já para 2011."

Outra novidade, conta Nestrovski, é uma mudança no programa de concertos. "Há sempre textos sobre as peças interpretadas, que auxiliam na compreensão do público. Mas criamos uma seção para a qual será publicado um ensaio de maior envergadura, para que o público possa ler depois, com calma, e guardar como fonte de referência", diz o diretor. No programa de março, o tema do ensaio é justamente Mahler, analisado por Jorge de Almeida - a Osesp acaba de iniciar, com a Sinfonia n.º 4, um ciclo ao longo do qual vai interpretar todas as sinfonias e conjuntos de canções do compositor. "O ensaio publicado no programa de março é como um aperitivo, um ponto de partida para a palestra que será dada pelo Jorge amanhã (quarta)."

Paradoxos. No texto Os Mundos de Mahler, o professor Almeida investiga a inspiração do compositor, a maneira como dialogou com as questões de sua época, a recepção à sua música. "Encontramos em toda a obra de Mahler esse gesto inesperado, que nega as supostas intenções de formas e temas tradicionais, criando através da música um outro sentido, muitas vezes paradoxal. Motivos desgastados do Romantismo (natureza, amor, solidão, povo, guerra, Deus, diabo, êxtase, vontade) são levados ao limite, abalados pelo trauma do nascimento da modernidade e recuperados sob uma nova perspectiva, que oscila entre a ironia e a violência", escreve ele. "Isso ajuda a explicar por que seus contemporâneos consideravam sua música "disforme", "grotesca", "vulgar" e "agressiva". Eles não estavam errados. Diante da enorme crise que marcou início de nossa "era dos extremos", suas sinfonias propõem uma solução igualmente grandiosa (e o adjetivo, como lembra Schoenberg, jamais é exagerado quando o assunto é Mahler): "A sinfonia deve ser um mundo, deve abranger tudo"."

Os debates acontecem no palco da Sala São Paulo e a plateia vai ocupar a área do coro. Já os debates e os encontros devem ocorrer no salão nobre da sala. Interessados podem se inscrever pelo site www.osesp.art.br.

PROGRAMAÇÃO

Os Mundos de Mahler Amanhã, 19h30

Palestra de Jorge de Almeida Chopin

Dia 12/5, 19h30

Palestra do professor e compositor José Miguel Wisnik

Debussy e o Nascimento da Modernidade

Dia 25/8, 19h30

Palestra de Vladimir Safatle, filósofo e professor da USP

Cristina Ortiz

Dia 29/4, 19 h

Encontro com a pianista Osvaldo Golijov

Dia 1º/10, 19 h

Encontro com o compositor Yan-Pascal Tortelier

Data a confirmar

Encontro com o maestro

MÚSICA NA CABEÇA

Sala São Paulo (1.484 lug.). Pça. Júlio Prestes, 16, 3223-3966. Amanhã (4ª), às 19h30. Grátis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.