Oscar Niemeyer inaugura o Teatro Popular de Niterói

O arquiteto Oscar Niemeyer inaugurou nesta quinta-feira, 5, o Teatro Popular de Niterói, uma obra que precisou de um considerável esforço financeiro e que o artista considera como a mais difícil de sua longa carreira."Tudo o que posso dizer (sobre a obra) não tem nada a ver com a arquitetura", disse Niemeyer ao dedicar esta construção ao Brasil, simbolizado nas cores verde, amarela, azul e branca do auditório, que ele mesmo destacou em seu breve discurso.O público que lotava a sala cumprimentou de pé com uma longa salva de palmas o arquiteto de 99 anos, que compareceu à inauguração acompanhado de sua mulher e uma filha.A inauguração foi o primeiro ato realizado em Niterói para comemorar o centenário do nascimento do arquiteto, que acontecerá em 15 de dezembro.O mais famoso arquiteto brasileiro foi acompanhado no ato pelos ministros de Cultura, Gilberto Gil; de Turismo, Marta Suplicy, pelo secretário nacional de Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, e por autoridades regionais e locais.Suplicy ressaltou que o Teatro Popular se soma às outras obras de Niemeyer em Niterói, o que oferece um importante pacote turístico e cultural à cidade, situada na baía de Guanabara.GilGil, por sua parte, destacou a afinidade entre a política cultural da cidade e a do Governo Federal, já que procura a "democratização" e o acesso de todos à cultura.O ministro ressaltou que a abertura do Teatro contribuirá para essa promoção e para o respeito à diversidade cultural do Brasil.O teatro é a sexta obra de Niemeyer em Niterói, a cidade que também acolhe o famoso Museu de Arte Contemporânea.Com a inauguração do Teatro, Niterói se transformou na segunda cidade brasileira com maior número de trabalhos do arquiteto, após Brasília, sua obra prima urbanística.Com uma capacidade para 10 mil espectadores, o teatro possui as curvas em concreto que já constituem a assinatura de Niemeyer.Além disso, foram construídos dois painéis gigantes de azulejos com bosquejos de figuras humanas em movimento.DificuldadesUma inovação é um camarote reversível que pode servir para espetáculos privados, com capacidade para 350 pessoas, mas que também pode se abrir para a parte principal do teatro, com capacidade para 10 mil pessoas.Uma parede de vidro permite ao público ver a baía de Guanabara do interior do teatro, que conta com um espelho de água, rampas e escadas em espiral, elementos freqüentes nas obras de Niemeyer.O projeto, o "mais demorado e difícil de realizar", segundo o arquiteto, teve um custo de R$ 14 milhões, dos quais R$ 9 milhões são provenientes da Prefeitura de Niterói e os R$ 5 milhões restantes foram doados pelo Ministério do Turismo."Durante anos, a obra foi infelizmente afetada pelos diferentes problemas que a falta de recursos gerava", disse Niemeyer, que, em artigo publicado esta semana, admitiu que os problemas orçamentários não só atrasaram a construção em cerca de oito anos, mas o obrigaram a realizar diversas modificações no projeto.O arquiteto afirmou que durante todo esse tempo se absteve de criticar os responsáveis pelos problemas, porque reconhece que "todos tentavam encontrar uma solução, qualquer que fosse".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.