OSB faz testes no Rio

Depois de demitir quase metade de seu corpo orquestral por sua posição de não se submeter a uma avaliação de desempenho, a Orquestra Sinfônica Brasileira começou a realizar audições no Rio para substituí-los. Entre os violinistas, violistas, violoncelistas e contrabaixistas testados na quarta-feira, havia estrangeiros e músicos jovens de vários estados do Brasil. A maioria estava alheia à crise que tomou a orquestra em janeiro, quando as avaliações foram anunciadas.

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2011 | 00h00

Ainda assim, candidatos ouvidos pelo Estado preferiram não ter os nomes publicados no jornal - temem sofrer hostilidade dos demitidos ou possível represália da direção da OSB. Precavidos quanto a protestos, chegaram bem antes da hora marcada.

"Todo mundo precisa trabalhar. Não fico constrangido", afirmou um violinista de 30 anos de São Paulo que tentou a sorte. "O jeito como foi feito foi errado, deveria ter havido diálogo. Mas todos tiveram a chance de fazer a prova", opinou outro de 26 anos e aluno de um dos demitidos, Michel Bessler, spalla da OSB por 34 anos.

David Chew, que era o primeiro cello da OSB, ficou indignado com a presença do rapaz. "É totalmente vergonhoso. Tenho certeza de que nenhum dos meus alunos fará isso comigo. É triste: hoje em dia todo mundo é movido pelo dinheiro".

As provas, já realizadas em Londres e em Nova York, vão até amanhã, na Sala Baden Powell. Na banca, estavam o diretor artístico e regente da OSB, Roberto Minczuk, e chefes dos naipes (são doze instrumentos).

A reportagem foi impedida de ficar no prédio. Na calçada, entrevistou um contrabaixista português de 33 anos que viajou só para a audição, e um australiano, de 26, recém-chegado ao Rio. Atraídos pelos novos salários, entre R$ 9,3 mil e R$ 11,3 mil, preferiram não se inteirar da crise e focar na performance. "Eu só quero tocar", disse o australiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.