Os melhores da mostra

Fãs dos filmes de arte, aqueles distantes dos blockbusters de Hollywood, sabem da importância da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo - foi graças à aceitação do evento pelo público que os distribuidores passaram a arriscar e a programar, por exemplo, obras do Irã. Esse avanço se estende agora ao DVD, com a união da Mostra com a Livraria Cultura: juntos, criaram a coleção Cultura Mostra para lançar em disco filmes que foram sucesso em diferentes edições do festival.

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2010 | 00h00

A primeira fornada, já disponível, é eclética e de bom gosto: o familiar Horas de Verão, de Olivier Assayas; o abusado Shortbus, de John Cameron Mitchell; o delicioso Canções de Amor, de Christophe Honoré; e o minimalista mas muito divertido Vocês, os Vivos, de Roy Andersson. Com curadoria dos organizadores da Mostra, Leon Cakoff e Renata de Almeida, a seleção vai aumentar em pelo menos mais 20 títulos em 2011 e já estão confirmados o delicado Hanami - Cerejeiras em Flor, de Doris Dörrie; o documentário Os EUA Contra John Lennon, de David Leaf e John Scheinfeld; e o terror sueco Deixa Ela Entrar, de Tomas Alfredson.

Juntos, formam uma verdadeira salada cultural. Horas de Verão conta a história de uma família que comemora o aniversário da matriarca. Ao lado dos filhos que moram fora, discute-se o legado do tio pintor, em torno ao qual há um culto do qual a mãe é a oficiante. Em seguida, a família reúne-se de novo para saber o que fazer com o espólio - pois a mãe morreu e a casa, os objetos, incluindo quadros e mobiliário do tio, aguardam uma definição. O filme chega em um momento crucial: memória tem valor?

Reminiscências também percorrem Canções de Amor, misto de musical e romance. Declaradamente inspirado em Os Guarda-Chuvas do Amor, de Jacques Demy (o mais lírico dos autores da nouvelle vague), o filme de Honoré permite o confronto com a morte e a diversidade sexual na história do rapaz que perde a namorada, morta subitamente, e daí perde o rumo da vida. Parece triste, mas não é.

Engraçado mesmo é Vocês, os Vivos, que também trata da morte - o título, aliás, é uma fala dela. São 57 vinhetas filmadas com câmera parada, em que personagens comuns vivem situações ordinárias mas que ganham um vulto extraordinário, beirando o surrealismo. Impossível não se identificar com ao menos uma das cenas.

Já Shortbus traz o escândalo à coleção, pois contém cenas de sexo explícito. Nada surpreendente quando se trata do diretor John Cameron Mitchell, que trata o sexo como um caminho para aprofundar temas que afligem seus personagens, como amor e medo. O filme acompanha os problemas de relacionamento enfrentados por uma terapeuta e seu parceiro, um casal de rapazes, um voyeur, entre outros. E o sexo, realizado em clima de paz e amor, desponta como caminho para a solução.

COLEÇÃO CULTURA MOSTRA

Shortbus, Horas de Verão, Vocês, os Vivos e Canções de Amor. À venda na Livraria Cultura (www.livcultura.com.br). R$ 39,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.