"Os Maias": expectativa nos últimos capítulos

A escritora e dramaturga Maria Adelaide Amaral, que adaptou para a televisão a obra Os Maias, do escritor português Eça de Queiroz, e os telespectadores, que representam a média de 15 pontos no ibope, estão satisfeitos com o resultado. Os Maias termina esta semana tendo como um de seus méritos o de trazer à tona a eterna discussão entre qualidade e índices de audiência. Entre os defeitos, as cenas cortadas sem muito critério, a ponto de até o telespectador mais distraído perceber um certo desencaixe e os atores irritarem-se. A qualidade que fez a fama da produção custou caro, mas nem por isso a emissora privilegiou a minissérie em sua grade. O futebol sempre levou vantagem.O clímax acontece nestes últimos três capítulos, em que a trama concentra-se no drama dos protagonistas Maria Eduarda (Ana Paula Arósio) e Carlos Eduardo (Fábio Assunção). E foi anunciado com o retorno, no capítulo de ontem, de Maria Monforte, inicialmente interpretada por Simone Spoladore, e que agora, na velhice da personagem, tem a interpretação de Marília Pêra. Grand finale Até mesmo para quem conhece a fundo a obra literária, sobra expectativa. Isso porque o aparecimento de Maria Monforte não consta na obra de Eça. Tuberculosa, ela envia apenas uma carta para Lisboa, onde esclarece o parentesco entre Maria Eduarda e Carlos e os motivos que a levaram a abandonar o filho. Para quem gosta de analisar adaptações é, no mínimo, curioso conhecer os diálogos criados por Maria Adelaide e, principalmente, checar a atuação de Marília Pêra."Embora esteja doente, ela não está maltratada, porque o marido de Maria Eduarda a sustenta em um excelente sanatório na Suíça", explica Marília Pêra, que se dedicou por um mês à personagem, assistindo em fitas a interpretação de Simone Spoladore - "não para copiar, mas porque não posso ter gestos totalmente diferentes" - e decorando o texto. A atriz já atuou em outra obra de Eça para a tevê. Ela foi Juliana em O Primo Basílio, em 1986, com adaptação de Gilberto Braga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.