'Os Descendentes' é fiel ao meu livro, diz Kaui Hart Hemmings

Histórias familiares têm importância singular no Havaí - praticamente todos os habitantes desse conjunto de ilhas americanas sabem descrever sua árvore genealógica com precisão. Se é motivo de orgulho, a ancestralidade pode também atrapalhar, uma vez que o passado impõe-se como uma sombra sobre o presente. Foi a partir de fatos como esse, realmente vividos, que a escritora havaiana Kaui Hart Hemmings se inspirou para escrever o romance Os Descendentes, lançado agora pela editora Alfaguara no mesmo momento em que os cinemas exibem a versão cinematográfica dirigida por Alexander Payne e interpretada por George Clooney, ambos candidatos ao próximo Oscar.

O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2012 | 03h07

Clooney vive Matthew King, advogado que é um dos homens mais afortunados do Havaí por ser o representante legal de uma enorme área natural do país, fruto de herança familiar. Por conta de uma nova lei havaiana, porém, que impede a manutenção de latifúndios, ele será obrigado a se desfazer da propriedade e dividir o dinheiro com vários primos, também herdeiros. Não bastasse isso, ele sofre com o estado terminal da mulher, que está em coma depois de um acidente de lancha, e com duas filhas adolescentes, que não o respeitam o suficiente.

Em entrevista por e-mail ao Estado, Kaui conta que se baseou em fatos de sua família, que foram temperados pela ficção até chegar ao formato final de Os Descendentes, romance em que passado e futuro atormentam Matthew até ele ser obrigado a tomar uma decisão que pacifique os dois momentos e garanta sua tranquilidade. A seguir, entrevista.

A questão da ancestralidade parece ser muito importante no Havaí. Seria por esse motivo que personagens como Matt pensam muito nos antepassados antes de agir?

Parece que a maioria das pessoas no Havaí consegue traçar sua ancestralidade - é algo feito conscientemente e de que nos orgulhamos muito. Matt King sofre um pouco com o peso de seus antepassados, a ponto de quase dispensá-los até chegar à situação narrada pelo livro, quando pela primeira vez ele consegue visualizar seus familiares e acolher as suas esperanças e intenções.

Por outro lado, Matt surpreende seus primos ao se negar a vender a propriedade da família, como é desejo deles. O que teria afetado sua decisão: o respeito ao passado ou o vislumbrar o futuro que ele poderá desfrutar ao lado das filhas?

A morte iminente da mulher, a perda do amor dela, o renovado relacionamento com as filhas: todos esses fatores influenciaram sua decisão, além do que disse na pergunta anterior, sua empatia pelas pessoas do passado que, de alguma forma, são responsáveis pela sua situação presente, seja boa ou má.

Há muitos homens como Matt King no Havaí, aqueles com dificuldade em se ajustar à sua identidade cultural?

Talvez. Eu mesma enfrentei batalhas culturais internas, o que me ajudou a criar esse personagem. Acredito que a maioria das pessoas daqui orgulha-se de sua identidade cultural, embora eu tivesse tido problemas. Mas, na ficção, dificuldades são muito mais interessantes.

Os Descendentes é baseado em The Minor Wars, um conto que você escreveu para o livro House of Thieves. Foi mais difícil ou mais fácil escrever a partir de um ponto inicial?

Escrever um romance sempre me intimidou, daí eu ter iniciado com contos. Mas, ter um ponto de partida foi muito útil, pois eu já dispunha dos personagens que construiriam a trama. Ou seja, eu tinha um começo. E, uma vez iniciada a escrita, o romance embalou. Confesso que gostei muito desse processo de expansão de uma obra pequena.

O filme dirigido por Alexander Payne modificou algumas estruturas do livro, o que seria natural. O que você recomendou que não fosse alterado do original?

Considero a adaptação cinematográfica muito fiel ao meu livro. As meninas têm uma importância menor no romance e, no filme, o papel da Scottie, a filha mais nova, está ligeiramente ainda mais encolhido, mas isso não é uma crítica - gostei dessa decisão, pois particularmente não gosto de filmes focados em crianças.

Você visitou o set de filmagem e até gravou uma pequena participação, como a secretária de George Clooney, é verdade? Como foi?

Adorei conhecer o set onde pude observar o trabalho do diretor. Havia um clima bem-humorado no trabalho da equipe e do elenco. E interpretar a secretária foi o máximo - afinal, quem não gostaria de viver esse papel ao lado de George Clooney?

Natural do Havai, Kaui

inspirou-se em fatos da própria família para escrever Os Descendentes - que por sua vez teve

origem no conto The Minor Wars. No filme adaptado da obra ela

faz uma ponta, como secretária de Clooney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.