Reuters
Reuters

Organização cria aplicativo que bloqueia conteúdos sobre Charlie Sheen

Plug-in é capaz de tapar a imagem do ator e seu nome em qualquer página da internet

Efe,

10 de março de 2011 | 17h42

LOS ANGELES- Uma organização criou um aplicativo capaz de "bloquear" na internet qualquer imagem ou texto relacionados ao polêmico ator Charlie Sheen, que nas últimas semanas tem estado constantemente sob os holofotes nos Estados Unidos.

Como mostra o site do grupo, o "plug-in", disponível para os navegadores Firefox e Chrome, é capaz de tapar a imagem do ator e seu nome em qualquer página da internet. Segundo o portal, a ferramenta obteve até agora mais de 14.700 downloads.

O criador deste "plug-in" é a The Free Art and Technology (F.A.T.), uma organização dedicada a enriquecer o domínio público através da pesquisa e o desenvolvimento de tecnologias criativas, segundo detalha em seu site oficial.

"Perdão Charlie, mas é hora de deixar a internet e retornar à sua família pornô. Deixe que esta seja a cura à ressaca da qual todo o mundo está se recuperando devido a toda essa moda do winning ('vencendo')", escreveu o criador do aplicativo, Greg Leuch, em alusão ao célebre termo cunhado pelo ator no Twitter.

Veja também:

Charlie Sheen pede US$ 100 mi em ação contra Warner

Sheen, imerso em uma grave crise profissional desde que seus problemas com o álcool e as drogas provocaram a suspensão da série "Two and a Half Men" e sua posterior demissão, vem sendo incansável em suas explosivas declarações.

As últimas tiveram como protagonistas Jon Cryer, seu ex-companheiro na série, e Rob Lowe, sua aposta pessoal para substituí-lo à frente do programa.

"Jon não me ligou", comentou Sheen após saber de sua demissão, chamando-o de traidor.

Sobre Lowe, indicou: "Rob é um velho amigo e um ator brilhante. E é bonito". "Sugiro, no entanto, que tente ir por outro caminho. Não pense em nada do que eu fiz de forma brilhante durante 177 mil episódios. Faça algo novo", recomendou. EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.