Mario Canivello/Divulgação
Mario Canivello/Divulgação

Orfeu entre tragédia e show

Montagem de desenho indefinido e anêmico é apenas um desfile de composições literárias e musicais

Análise: Mariangela Alves de Lima, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2010 | 00h00

Emprestada dos franceses, a expressão "sucesso de estima" caiu em desuso sob a hegemonia norte-americana. Sendo mais pragmáticos, os critérios que substituíram essa valoração ambígua não separam o apreço de poucos do desinteresse de muitos. Bem-sucedida é, hoje, a obra de arte que vende bem e conquista um grande espaço nos meios de divulgação. No entanto, é esse galicismo fora de moda que faz justiça a Orfeu da Conceição, uma composição teatral de Vinicius de Moraes prestigiada por uma fortuna crítica abundante e encomiástica, mas encenada poucas vezes, em geral com intuito comemorativo.

As qualidades que sustentaram a repercussão crítica desde a estreia, em 1956, até o presente, são as indestrutíveis virtudes do poeta rigoroso na construção e límpido na captura de estados anímicos e dilemas existenciais.

Há na peça versos fulminantes, inesquecíveis para o leitor ou ouvinte atento e a eufonia da alta poesia é, por si só, um convite à teatralidade. Por outro lado, a fabulação esgarçada, a insubstancialidade das personagens e os recortes arbitrários por onde se insinuam as intervenções musicais contrariam a unidade trágica a que a peça aspira.

O protagonista Orfeu, músico do morro e não de "um morro", é a voz lírica celebrando o amor e isso resume sua ação na peça. Enquanto o músico canta a paixão, a coletividade mitifica um pacificador sem que se saiba bem qual a relação entre o amoroso e o herói. Alguns episódios só se tornariam compreensíveis para o público de teatro se fossem acompanhados de notas esclarecedoras sobre a fonte mitológica e é este o caso, por exemplo, do ataque das mulheres ao herói ensandecido. Em suma, a peça não é modelar, mas é amada por muita gente.

As limitações e, sobretudo, a irresolução do texto, que hesita entre a concentração trágica e a segmentação do teatro musical, são certamente problemas que a encenação contemporânea, desobrigada da fidelidade ao texto, resolveria com facilidade relativa. É um desses enigmas da vida teatral, portanto, a anemia do espetáculo dirigido por Aderbal Freire-Filho.

Erudito e popular. Quando alguém abre a boca em cena é para pronunciar versos de um grande poeta, a música é de Tom Jobim e a direção musical é de Jaques Morelenbaum e Jaime Alem, dois ases experientes na trama entre a música erudita e a popular. Até o elenco compensa a falta de experiência dramática com candura juvenil e competência para as partes musicadas e coreografadas. São fatores que, somados, prenunciam um espetáculo no mínimo merecedor do sucesso de estima.

Nem a esplêndida execução de um cancioneiro que o público evidentemente ama e conhece de cor e salteado é suficiente, contudo, para unificar a encenação. Levando a sério, talvez em demasia, a analogia entre o mito grego e a cultura negra, o espetáculo tem um desenho espacial e temporal indefinido, tonalidades pastel e uma movimentação cujo maior cuidado parece ser o de preservar a elegância do conjunto. Não há descabelamento ou apelos ao característico, tentações frequentes na representação dos pobres, mas tampouco se expressa o desespero amoroso ou a inquietude do coro.

Contra o fundo anódino da cenografia de Marcos Flaksman evolui um parente esquisito do show. Não empolga porque a matéria literária, por natureza, exige do espectador atenção e uma certa frieza e, ao mesmo tempo, dissolve o estado contemplativo, intercalando músicas e textos extraídos de outros contextos autorais. Enfim, o resultado é o de uma seleta para principiantes que faz desfilar, em perspectiva panorâmica, composições literárias e musicais de qualidade garantida.

Morros cariocas. Nosso modernismo, inspirando-se nos russos, sonhou um teatro-estádio, grandioso na estatura e na ambição de conquistar a "massa" com o mesmo poder galvanizador do esporte. De modo implícito na peça Orfeu da Conceição e explícito em comentários, Vinicius de Moraes pretendeu a mesma grandeza quando assimilou a paisagem cultural dos morros cariocas ao assunto trágico e, sobretudo, aos elementos espetaculares da tragédia.

Músicos, bailarinos, coro e máscaras ampliam escala e, portanto, a visibilidade do teatro. Nesta adaptação sucintamente denominada Orfeu, a dimensão é a da casa de show, um lugar onde em geral cabe muita gente, mas onde se acomodam com dificuldade grandes ambições artísticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.