Oprah Winfrey transforma Tolstoi em best-seller

Livro de bolso mais vendido do mês passado nos EUA e até a semana passada líder da lista do The New York Times, Anna Karenina, de Leon Tolstoi, é inegavelmente um grande romance, um dos livros que marcaram a história do gênero. Se a personagem-título e sua atribulada e trágica vida foram decisivas no sucesso incial, chave do sucesso atual do livro está em outra mulher, Oprah Winfrey, a apresentadora do Oprah Winfrey Show, o talk show de maior audiência nos EUA desde 1987. Usando com eficácia o poder de penetração do seu programa, Oprah virou dona de um império centrado na empresa chamada Harpo Entertainment Group. Seu clube do livro, o Book Club, que é o maior do mundo com 370 mil sócios, funciona nos moldes de qualquer outro, só que Oprah injeta nele altas doses do seu star power, o que faz toda a diferença. Oprah escolhe os livros de ficção, convida os autores para seu programa e seleciona espectadores-leitores para debates ao vivo.Com Anna Karenina, obviamente o autor não podia conversar com Oprah. Mas ela não se apertou. Ofereceu um aparato completo de ajuda a leitores pouco afeitos aos clássicos que inclui um calendário de leitura; um newsletter semanal sobre o livro; e três guias de leitura, com explicações sobre a trama, os personagens e Tolstoi. E se alguém ainda tiver perguntas, pode consultar online uma das maiores especialistas americanas no autor, a professora Liza Knapp. A força da seleção de Anna Karenina como livro de verão de Oprah logo se fez sentir. O anúncio da escolha foi em 31 de maio. Uma semana depois já estava em primeiro lugar em todas as listas de best-sellers.A poderosa Oprah é por si um fenômeno cultural. Um livro recente escrito por Eva Ilouz, coloca-a como uma exceção no mundo do entretenimento, desempenhando uma espécie de papel terapêutico na contramão dos outros talk shows. Sua façanha de pôr Tolstoi na lista dos best-sellers e levar Anna Karenina a milhares de leitores novos parece dar razão à tese. Ou vocês imaginam Silvio Santos ou Jô Soares fazendo o mesmo?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.