Ópera-rock do Green Day traz sentimentos antagônicos

Uma mistura de sentimentos antagônicos. É assim o novo álbum do Green Day, 21st Century Breakdown, uma ópera-rock dividida em três atos: Heroes and Cons, Charlatans and Saints e Horseshoes and Handgrenades, contando a história de Christian e Gloria. O casal busca a terra prometida com o fim da administração George W. Bush e a esperança de melhora com Barack Obama. Mas Christian se sente frustrado por não conseguir fazer a diferença e é pessimista: sai Bush, entra Obama, e nada vai mudar.

AE, Agencia Estado

15 de junho de 2009 | 12h03

Nas 18 canções, Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt e Tré Cool não perdoam ninguém. A revolta fica clara nas últimas músicas, nas letras de 21 Guns e See The Light. Na primeira, o trio californiano pergunta: ?Você sabe se está lutando para valer, quando não vale a pena morrer por isso?? As tradicionais pegadas do punk rock do Green Day do passado são intercaladas pela maturidade musical já apresentada no último álbum.

Tanto em 21st Century Breakdown, que abre o disco, quanto em Know Your Enemy, que vem em seguida, o ritmo é rápido, característico da banda. Nelas, fica clara a mensagem que Billie Joe quer passar. No refrão de 21st Century, ele grita: ?Minha geração é zero. Nunca me dei bem como um herói da classe trabalhadora?. A terceira e a quarta faixa apresentam Gloria e Christian. No segundo ato, quase todas as músicas deste ato seguem o ritmo de baladas. A surpresa está no terceiro ato, quando a banda mostra que não esqueceu o punk rock. O disco nem bem estreou e já atingiu o Top 200 da Billboard, com 215 mil álbuns vendidos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaGreen Day

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.