Divulgação
Divulgação

Ópera de Ravel é a grande vencedora do Prêmio Carlos Gomes

A montagem de 'O Menino e os Sortilégios' levou cinco troféus, entre eles o de melhor espetáculo

O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2012 | 03h10

A montagem da ópera O Menino e os Sortilégios, do compositor Maurice Ravel, foi a grande vencedora da 15.ª edição do Prêmio Carlos Gomes, realizada na noite de segunda-feira no Teatro Municipal de São Paulo. A produção levou cinco troféus - entre eles o de melhor espetáculo de ópera de 2011, desbancando os favoritos A Valquíria e Tristão e Isolda, de Richard Wagner, produções do Municipal e do Festival Amazonas de Ópera, respectivamente.

Além de melhor espetáculo, O Menino e os Sortilégios, que fez parte da temporada do ano passada da Orquestra Experimental de Repertório, venceu também nas categorias cenário (Fernando Anhê), iluminação (Wagner Pinto), figurino (Fernando Anhê) e direção cênica (Lívia Sabag). A Valquíria venceu na categoria Regente de Ópera, com Luiz Fernando Malheiro (que também esteve à frente da direção musical de Tristão e Isolda, em Manaus), e entre as cantoras solistas (a meio-soprano Denise de Freitas, que também participou de O Menino e os Sortilégios). Entre os cantores, venceu o tenor Fernando Portari, pela atuação nos espetáculos O Morcego, Romeu e Julieta, Don Pasquale e La Bohème.

A cerimônia de entrega do Prêmio Carlos Gomes foi apresentada pela atriz Beatriz Segall e contou com a participação da soprano Niza de Castro Tank, grande intérprete da obra do autor de O Guarani e presidente da comissão organizadora da premiação. Ao longo da apresentação, canções do compositor foram interpretadas pelo Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, pelo tenor Fernando Portari e a soprano Rosana Lamosa.

Entre as orquestras, foi escolhida como destaque de 2011 a Filarmônica de Minas Gerais, pelo conjunto de apresentações da temporada passada - e, entre os conjuntos de câmara, venceu o próprio Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, corpo estável do Teatro Municipal, pela "coerência" do trabalho apresentado ao longo dos últimos anos.

A solista instrumental vencedora foi a pianista brasileira radicada na França Sonia Rubinsky, pela gravação integral do ciclo Canções Sem Palavras, de Mendelssohn. A maestrina Ligia Amadio ficou com o Carlos Gomes de regente de repertório sinfônico devido a seu trabalho à frente da Sinfônica da Universidade de São Paulo. O Troféu Guarany foi entregue a Dyra Oliveira, ex-diretora do Teatro São Pedro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.