Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Onde tudo começou

DNA do canal Woohoo e registro da cultura anos 80, Realce volta ao ar hoje

CRISTINA PADIGLIONE, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2013 | 02h16

Atenção à torcida que vibrava com os mulets, gírias e ombreiras desfiladas na novela Vale Tudo, reprisada pelo canal Viva há dois anos: outro momento digno de "Vale a pena ver de novo", que revisita moda, cultura e linguajar dos anos 80, está de volta a partir de hoje, pelo Woohoo, canal brasileiro do grupo Turner. Pioneiro no ramo da produção independente, o programa Realce, inspirado na música homônima de Gilberto Gil, traz de volta os dias de recém ou quase famosos de Evandro Mesquita, Fernanda Abreu, Ed Motta, Malu Mader, Cazuza, Renato Russo, Paula Toller, Paulo Ricardo, Hebert Vianna e toda a geleia do eixo Rio-SP-Brasília da época.

Transformado em série de 80 minidocumentários, Realce vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, às 20h10, com apresentação de André Di Biasi, outro ícone daqueles dias. O áudio e a textura de imagem podem não ser lá essas coisas. São cenas que denunciam os 30 anos - uma eternidade para a tecnologia - que distanciam a origem do material dos dias digitais de hoje. Quem se importa? Rever as cabeleiras de Lobão, Débora Bloch e Lulu Santos (que chegava a perder os óculos escuros entre os cachos) não tem preço.

"Fizemos muitas entrevistas e encontros musicais com gente que as emissoras maiores ainda nem assediavam, mal sabiam quem eram aquelas pessoas", orgulha-se Ricardo Bocão, ao lado de Antonio Ricardo. Pais da ideia, os dois apresentavam e produziam o Realce, que ia ao ar pela Record, no Rio, e por diferentes emissoras em outras regiões. Foram eles que fundaram o Woohoo, em 2006, para unir cultura jovem, música, moda e esportes de ação. A geração Y nem existia em 1983, mas o embrião do Woohoo está lá, nas páginas de Realce, título parido como tabloide antes de ser TV.

Bocão e Antonio estavam na MTV quando ela cá chegou e passaram 12 anos no SporTV, até fundar o Woohoo, reconhecido pela Ancine como "canal qualificado brasileiro". Trata-se de um selo exigido por lei para 1/3 dos pacotes de canais da TV paga.

12 estreias em 12 meses. Mas a reprise de Realce é só a estreia de um pacote que prevê 12 novos programas em 12 meses, um para cada folhinha do calendário. A seguir, o Woohoo apresentará o Flow, voltado à cultura hi-hop. Outro título em produção é o reality COB 2: em uma cobertura em Ipanema, Chico, o Pescador, oferecerá uma refeição, fruto da pescaria do dia, preparada pela chef Maria Antonia Bocayuva.

Para a dita segunda tela, aquela da internet que vê TV, o Woohoo bate bumbo sobre a superação da marca de 1 milhão de fãs no Facebook, no qual o canal tem apresentado conteúdo diferenciado do que se vê na TV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.