Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Onde está a certeza?

Foi um passo para a maturidade e para o casamento do ético com o legal

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2016 | 02h00

O certo – diz uma voz dentro de mim neste histórico domingo, 17 de abril, é uma coisa, a certeza é outra. Será preciso começar fazendo essa distinção.

O certo persegue a certeza, sendo a razão imperativa para que as certezas criem convicções e engendrem ações generosas e positivas para o Brasil.

O certo é simples: nenhuma coletividade de massa, nesta era de simultaneidades planetárias e digitalização global, as quais engendram uma absoluta transparência, pode ser infantilizada pela negação de um claro plano de poder tocado a uma vergonhosa e quase sempre quixotesca corrupção, a qual acabou por devastar economicamente o Brasil. Realmente, um plano de poder aliado a uma ética dos fins justificando os meios liquidou estatais e fundos de pensão, levou à bancarrota bancos oficiais e, pela ladroagem, transformou funcionários em milionários, ladrões e empresários em símbolos de vileza para seus ilustres clãs políticos e familiares.

Se o alvo era o demonizado capitalismo e um mundo igualmente cruel, o tiro saiu pela culatra, pois, ao fim e ao cabo, o que houve foi pretender legitimar ladrões como salvadores da pátria. O maior deles, o chefe – Lula da Silva –, começou repetindo a imagem do pai dos pobres para ser mais do que a mãe dos ricos, pois é, hoje, o compadre de um rol de empresários cujo cartel virou um clube de propinas. Esse sinistro capitalismo foi usado para abrir abençoadas contas no exterior e promover financiamentos a países vizinhos, reforçando seus governos autoritários.

O povo pode ser bobo, mas não é palhaço. O povo, como se viu no domingo, não aceitou ser o filho bastardo de um governo lulo-petista que se postava como pai e, depois, mãe, mas que dele abusava de modo incestuoso, roubando-lhe os recursos. A genitora inventada pelo pai salvador revelou-se dona de mais impaciência e ausência de noção do seu papel do que de amor materno. Postava-se como mãe sem, entretanto, ter o coração materno da famosa canção imortalizada por Vicente Celestino.

Política tem muito de ética pessoal, mas não é família ou casa-grande. Um país é uma casa e senzala, embora seja moradia. Alugá-lo a incompetentes cínicos, que admitem terem comido muito mel a ponto de melarem-se todos, é, mais do que uma realidade, um insulto.

E o povo, que usa expletivos como conceitos filosóficos – existe algo mais complexo do que explicar o significado de f.d.p ou de um p.q.p? –, revelou a sua vontade e o seu pensamento selvagem levi-straussiano, quando vimos a tribo que, no domingo, podou o poder político lulo-petista, dando o primeiro passo para afastá-lo do palácio e do imenso aparelho que ele cuidadosamente construiu.

Estou sendo golpista? Para alguns, sim. Para quem sabe do meu caráter, não. Não tergiverso com minha honestidade e não vendo minha alma ao Diabo na forma de pedidos, favores e dinheiro. Meu nariz está limpo, porque jamais ajoelhei para lamber um traseiro ou solicitei um empenho. Quando, um dia, me perguntaram “O que você quer?”, disse sem tremer: “Nada!”.

Nessa rede de elos familiares e de simpatias, da qual o ritual de domingo deu provas contundentes, eu jamais entrei. Estudando o Brasil, eu vi o peso dos favores na condução de nossos projetos de modernização igualitária e encareço aos que desejam real e firmemente mudar o Brasil, que prestem atenção a essa trama do dar-para-receber que não amadurece, mas infantiliza. Que não engendra cidadãos responsáveis, mas devedores e, no limite, subserviências. E o faz sem saber, mas sabendo – maldosa e inocentemente.

O que vi domingo foi um grito esperançoso de maturidade com todo o bom humor possível diante dos mais reacionários que, negando o real, recitavam o mantra do ilegal para um ritual que, paradoxal e brasileiramente, era obviamente legítimo e certo, embora tivesse raízes nos dentes podres com os quais todos – todos! – comemos nossas carniças.

Foi um ritual do mesmo naipe dos estelionatos eleitorais, dos quartos neuroticamente secretos, onde aquele sujeito da Petrobrás guardava, como um Ali Babá, os tesouros roubados. Foi uma prova de como o ilegítimo é legal, tal como as propriedades do ex-presidente Lula são dos seus amigos do coração.

Foi um passo para a maturidade e para o casamento do ético com o legal. Mas, como estou cansado de testemunhar tal movimento, pois fiz parte dos “conscientizados” da esquerda brasileira, posso ter certeza, mas não estar certo.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilVicente CelestinoPetrobrásLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.