Pixabay
Pixabay
Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Onde erramos?

Nós, mais velhos, quase sempre tivemos pais com regras mais claras do que as gerações atuais

Leandro Karnal, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2021 | 03h00

O primeiro susto foi em um restaurante em Tóquio. Paguei a conta e deixei dinheiro a mais. A moça veio atrás de mim devolvendo o “excesso”. Insisti que era para ela. Recebi uma recusa polida: “it’s my job”. Sim, era o trabalho dela. Guardei as notas com algum constrangimento. Parecia que eu tinha maculado um ambiente puro. Em uma metrópole como a capital do Japão, a maioria dos trabalhadores está acostumada ao oferecimento de gorjetas por parte de turistas. Nos lugares menores, bem sei, decai o inglês e aumenta o espanto. “Já sou pago para fazer o que faço. Fazer bem é um item de honra e não pode ser em função do desejo de dinheiro.” Parece-me sempre ter ouvido isso sem nunca ter entendido o que falavam. Meu japonês é inexistente e o inglês, fora das grandes áreas urbanas, é fraco no arquipélago do sol nascente. 

Vamos em direção ao Ocidente. Há países nos quais as quantias extras são esperadas por todo serviço. Turistas são fonte de renda e existe pobreza. Salários baixos impelem trabalhadores a aguardar o amparo suplementar. Já fiquei irritado em viagens. Parecia, por vezes, que um simples sorriso deveria ser recompensado com um dólar. Uma vez, indo a um congresso com minha amiga Flavia Galli Tatsch, pessoas pegaram nossas malas na esteira do aeroporto e saíram em passo rápido. Fui atrás rápido, imaginando um roubo. Não! Eram carregadores que, sem pedir ou oferecer, pegaram as bagagens e saíram até a rua para... receberem gorjeta. Sorridentes, colocaram os volumes no carro que indiquei e esticaram as mãos ávidas. Na prática, houve um sequestro relâmpago das nossas roupas e o resgate era em matéria sonante. 

Achava que eram as dificuldades econômicas que explicavam o fato. Todavia, em grandes economias capitalistas, como os EUA, a gorjeta é até mais sagrada do que em rincões do Terceiro Mundo. É grave, crime de lesa-pátria, não deixar o valor no pagamento na terra do presidente Biden. Pode ser que em alguns lugares seja a luta pela sobrevivência, em outros o capitalismo que tabela de trabalho a felicidade. O que explicaria o Japão?

No Brasil, por exemplo, oferecemos prêmios para crianças de classe média e alta para fazerem o que deveriam por pura e primária obrigação. Viagens, presentes, dinheiros e outros são ofertados na bandeja do futuro para que os jovens... estudem. É uma forma de suborno ou recurso válido para a educação. Será que as crianças japonesas, diante de um convite a um regalo para que estudem, responderiam: “Não, meu pai, não posso aceitar seu oferecimento. Eu estudo para ter um futuro e ser digno do nome da família, afinal, it’s my job?”. Vindo do Brasil, a terra que apresenta alto índice de trabalho infantil em classes baixas e altíssimos níveis de mimo pedagógico nas altas, tendemos a idealizar sistemas sociais e educativos melhores. 

Crianças francesas comem de tudo e nunca fazem “manha” pública. Crianças japonesas trabalham com a ideia de dever em grau elevado. Onde erramos?

Sabemos que nós, mais velhos, quase sempre tivemos pais com regras mais claras do que as gerações atuais. O Legislativo da casa da nossa primeira idade estava fora do nosso alcance: todos os valores e normas vinham prontos e pétreos. Nem sempre era justo e quase nunca fácil. “Deitem-se às 21h!” Por quê? Seria grave 20h45min? 21h15min? Ninguém sabia. Era assim desde a aurora dos tempos e a ordem do mundo dependia do rápido atendimento da diretiva materna. Desligar a televisão (a única, na sala). Escovar os dentes e cama! “Mas eu não estou com sono!” “Não precisa dormir, meu filho, basta ficar quietinho no quarto com luz apagada até amanhã.” 

Submetidos, outrora, a regimes menos inclinados à negociação, imaginamos que os jovens de hoje são folgados e cheios de birra. Um psicanalista daria boas pistas para analisar nosso horror aos sistemas em vigência como forma de responder a nossas dores. Como mudamos de lado com o tempo, temos maior apreço pelo cabo do chicote do que compaixão pelo lombo que o suporta. 

Crianças devem ser ouvidas sempre e atendidas de quando em vez. Regras devem ser racionais, claras e justas. Exceções podem e devem ser abertas em nome de valores maiores do que a norma, como a defesa da vida. Nunca deveria ser oferecido suborno para que um filho faça o que deveria fazer. Elogios são bem-vindos, críticas com cuidado e sem humilhação, indicando o caminho correto. Explicação olho no olho, abaixando-se para falar com uma criança. A birra existe e não há dano permanente se alguém de sete anos não receber o que deseja na hora que solicita. Nunca, jamais usar de autoridades externas ou imaginárias em caso de recusa infantil: “Eu vou chamar o guarda...” É uma mentira e você perderá sua autoridade. Você é pai ou mãe, não “amiguinho” do filho. 

Crianças não podem trabalhar formalmente, devem estudar e brincar. Elas devem ser estimuladas a tarefas leves domésticas como arrumar a cama e guardar brinquedos quando tiverem discernimento para tal. Presentes dados a todo instante diluem a alegria das datas. Os limites devem ser dados e jamais a violência física. É quase uma sina: erramos em educação, sempre. Porém, alguns cuidados impediriam que transformássemos crianças pobres em pequenos escravos e as ricas em imbecis mimados. Evitar tais erros já ajudaria bastante o futuro do nosso amado país. Boa semana com esperança nas crianças.

É HISTORIADOR E ESCRITOR, AUTOR DE ‘O DILEMA DO PORCO-ESPINHO’, ENTRE OUTROS

Tudo o que sabemos sobre:
educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.