ONDA OBRA EM FORMA DE

Museu de Arte do Rio, aberto hoje para público, tem cobertura grandiosa

CAMILA MOLINA / REPORTAGEM, EDUARDO ASTA, RUBENS PAIVA INFOGRAFIA, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2013 | 02h33

O MAR - Museu de Arte do Rio, que será inaugurado hoje para o público na Praça Mauá, zona portuária da cidade, é a mais nova instituição museológica carioca. Complexo formado por dois prédios, o Palacete D. João VI, de 1916, e um edifício do início da década de 1940, o museu tem como marca arquitetônica uma grandiosa cobertura ondulada feita com 800 toneladas de concreto que une as duas construções. É como se uma pequena fração do oceano estivesse flutuando no alto do museu, símbolo que contribuiu, inclusive, para a criação do nome MAR para a instituição.

O elemento de 1,7 mil m², grande destaque da obra dos arquitetos Thiago Bernardes, Paulo Jacobsen e Bernardo Jacobsen, responsáveis pelo projeto arquitetônico do Museu de Arte do Rio, surgiu somente depois de uma primeira ideia, não concretizada, de unir os dois prédios com uma segunda fachada que se referia a uma rede. Quando a "onda" apareceu nos trações do arquiteto, ela, inevitavelmente, tornou-se uma homenagem a Oscar Niemeyer (1907-2012). "É uma cobertura que remete ao desafio do concreto na arquitetura carioca", afirmou Bernardo Jacobsen aos infografistas do Estado, que detalham, ao lado, os principais elementos do MAR.

No Palacete D. João V, o museu tem seu espaço expositivo, aberto agora com quatro grandes mostras. Já o outro edifício abriga a Escola do Olhar do MAR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.