Divulgação
Divulgação

On the road com Charly

Além da Estrada venceu o prêmio de direção no Festival do Rio de 2010

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2011 | 00h00

Já houve gente que fez saber ao diretor de Além da Estrada que jamais assistiria a um filme realizado pelo amigo Charly Brown. Mas a verdade é que ele é Charly Braun e quem bater pé que não quer ver estará perdendo o vencedor do prêmio de direção na Première Brasil do Festival do Rio de 2010. Estreiam na sexta dois dos vencedores da Première passada. O outro é Riscado, de Gustavo Pizzi, que também recebeu um monte de Kikitos no recente Festival de Gramado, em agosto.

"Charly", na verdade, é Carlos, Carlinhos Braun - o que forçaria outra aproximação, com o músico. "Charly é coisa de argentino", explica o diretor de Além da Estrada. Com um currículo recheado de curtas e making ofs, Charly há tempos sonhava com o longa. "Aos chegar aos 30 anos, ou quase, foi inevitável que parasse para pensar o que estava fazendo da minha vida, se estava atingindo o que sonhava para mim aos 15, aos 20, por exemplo."

A família possuía uma fazenda no Uruguai. O anúncio de que ela seria vendida apressou o desejo de filmar de Charly Braun, porque ele queria justamente aproveitar as locações da fazenda em que, por bem uns 20 anos, reunia-se com os três irmãos e a mãe para passar o Natal e o ano-novo. A mãe casou-se duas vezes e teve dois filhos de cada casamento. O primeiro foi com um Guinle e dele saiu a meia-irmã de Charly, Guilhermina Guinle, que produz e atua em Além da Estrada. Ele representa a vertente "Braun" e a fazenda em questão - que terminou vendida ao grupo Fasano, que nela criou o exclusivo Hotel Las Piedras - pertencia à sua avó uruguaia.

Guinles e Brauns, os irmãos viveram entre Brasil, Argentina e a fazenda uruguaia. Com a venda da fazenda, Charly ganhou o dinheiro que aplicou na realização de Além da Estrada. O filme é sobre um jovem que volta ao Uruguai para resolver um imbróglio envolvendo terras da família. Encontra uma garota europeia. Caem na estrada. Uma atriz argentina deveria fazer um papel - pequeno, mas importante. Desistiu e Charly pediu socorro à irmã. Guilhermina fala português, espanhol e inglês. Ela veio e trouxe sua amiga Naomi Campbell, que passava uma semana de férias em Punta del Este.

"OK, Charly, for you I"ll do everything", por você eu faço tudo, disse Naomi. E, pela primeira vez, foi ser... Naomi Campbell numa ficção. Guilhermina ampliou sua participação. Charly tinha dinheiro para filmar, mas não para a pós-produção. Ela foi a campo em busca de recursos. Teve de fazer o caminho das pedras. "Foi legal, um aprendizado, mas é muito desgastante. Não faria isso pelos outros. O projeto tem de ser pessoal - do meu irmão, meu, porque é muita exposição, essa coisa de pedir dinheiro para a arte."

Guilhermina está na novela O Astro, no fim de noite da Globo. Refaz o papel de Heloisa Helena, no original - "A nova personagem não tem nada a ver com a antiga", ela diz, com a garantia que lhe deu Daniel Filho, diretor da versão antiga e ator da atual. As tórridas cenas de sexo com Marco Ricca fazem parte. "Não tenho nenhum problema com isso. Teria, se fosse vulgar, ou estivesse fora de contexto. Na verdade, gravamos cenas mais picantes, que foram atenuadas para ir ao ar, mesmo às 11 da noite."

ALÉM DA ESTRADA

Título original: Por el Camino. Direção: Charly Braun. Gênero: Drama (Brasil-Uruguai/ 2010, 86 minutos). Censura: 14 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.