Olinda: muito além dos frevos rasgados

Da Áustria, veio o quarteto de cordas Hugo Wolf. Dos Estados Unidos, o pianista McCoy Tyner e o guitarrista Mike Stern. Os músicos brasileiros Wagner Tiso, Egberto Gismonti, Léo Gandelman e Dado Villa-Lobos também estão por lá. Todos os caminhos levam ao Nordeste de hoje ao dia 7, quando será realizada a 7.ª edição da Mostra Internacional de Música em Olinda (Mimo).

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2010 | 00h00

Ela está cada vez maior e este ano ampliou seus tentáculos no Recife e em João Pessoa, na Paraíba. E passa a viver não só de música, mas também de cinema - o festival dentro do festival, que era pequenininho e agora conta com 28 filmes com a música como temática central, tem na programação, entre outros, os documentários Continuação, de Rodrigo Pinto, que acompanha o processo criativo de Lenine, e A Maldita, de Tetê Mattos, sobre a extinta rádio carioca Fluminense FM, considerada a primeira do Brasil voltada ao rock.

Músicos são 500; concertos, 37, espalhados por 18 locações. Tudo é gratuito. O público esperado é de 100 mil pessoas, nas três cidades. A maioria é gente local, mas os turistas também comparecem (todos os hotéis e pousadas de Olinda estão lotados, segundo a produtora responsável pela organização e pela curadoria, Lu Araujo).

Mesclar o erudito e o popular é a meta. Se o pianista da Martinica Mario Canonge vem mostrar sua mistura de jazz com ritmos das Antilhas, a harpista carioca Cristina Braga prova que seu instrumento pode estar a serviço também da música que não é de concerto. Estão programadas ainda uma celebração dos 200 anos de Schumann e o show retrospectivo de Tom Zé, O Pirulito da Ciência. A Orquestra Contemporânea de Olinda faz as honras da casa. A lista das atrações está em www.mimo.art.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.