Olimpíadas serão bota-fora de Luciano

Para o narrador esportivo Luciano do Valle, da Band, as Olimpíadas marcarão o fim de uma era em sua carreira. Aos 37 anos de atividade, Luciano começa a preparar-se para sua despedida das grandes coberturas esportivas. "Não quero mais cobrir futebol", diz, durante os intervalos de trabalho nas eliminatórias da Copa de 2002, realizadas no Paraguai. Luciano diz que, oficialmente, seu contrato com a "Band" se encerra após as Olimpíadas, em setembro. Afirma que permanecerá na emissora até 2004, atendendo um pedido direto feito ano passado pelo hoje falecido João Saad, quando ainda presidente da emissora. "Não vou continuar fazendo o que faço hoje", garante ele. "Devo acertar minha ida para o Nordeste, onde pretendo apresentar programas regionais", continua. "Meu último grande evento será esta Olimpíada." Dois seriam os motivos de sua decisão. Apesar de tecer elogios à "Band" ("Não é uma empresa, mas uma família para mim"), o narrador diz que o cotidiano de seu trabalho chegou a um limite. "Cansei", afirma. "Desde 1982 sou o primeiro locutor da ´Band´, mas continuo escalado duas ou três vezes por semana para cobrir jogos." A pressão da torcida também teria pesado em sua decisão. "Futebol é barbárie: sou hostilizado e maltratado, principalmente pela torcida do sul do País", afirma.Copa Brasil - O episódio que teria precipitado tudo foi a cobertura de uma partida entre Atlético-MG e Corinthians, realizada no Mineirão, no dia 23 de maio, pela Copa do Brasil. "Na saída do estádio, o veículo em que eu estava com minha mulher foi cercado", diz Luciano do Valle. "Os torcedores subiram no carro, bateram na lataria e me senti encurralado." Uma das façanhas recentes de Luciano do Valle na "Band" foi a cobertura da final do Mundial de Clubes, em janeiro. O narrador comemorou no ar a conquista de 51 pontos de audiência durante a partida de Corinthians e Vasco no Maracanã. O episódio teria sido um dos fatores para a ofensiva da "Globo" na compra de eventos esportivos atuais. Globo - O narrador nega que tenha recebido convites da emissora carioca para voltar ao canal em que trabalhou até 1981. "Essa história não procede", diz. Nos corredores da ´Band´, no entanto, sua ida para a rede rival é dada como certa. A especulação que consumiu a semana era de que ele voltaria à "Globo" para dividir a narração com Galvão Bueno nos principais jogos, pois o narrador oficial da emissora estaria sobrecarregado com a narração da Fórmula 1 e de todos os eventos em que a "Globo" tem investido.

Agencia Estado,

23 de julho de 2000 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.