Alexandre Lima/Divulgação
Alexandre Lima/Divulgação

Olha quem está de novo na fita

Fim do suspense: estreia amanhã, em grande circuito do País, o mais forte candidato a blockbuster nacional, Tropa de Elite 2

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2010 | 00h00

Havia gente chorando no final de Tropa de Elite 2, na primeira exibição do filme de José Padilha, na terça-feira à noite. O filme entrou pela madrugada de ontem. O local de exibição não foi aleatório - contratualmente, Tropa 2 tinha de estrear em Paulínia, depois de ganhar o edital de distribuição da Prefeitura da cidade. As lágrimas daquela galera eram justificadas. Tropa 2 estabelece um novo patamar para o capitão, agora coronel, Nascimento. Ele está mais consciente, trágico.

O próprio filme confronta o espectador com um Brasil no qual milícias, corrupção e politicagem fazem parte do coquetel. "O Brasil é isso", diz Padilha. Mas nessa m... toda, há esperança, e é o que torna o filme mais belo e, paradoxalmente, triste. Tropa (1) terminava com uma execução, o 2, de certa forma, se encerra com um renascimento.

Padilha, Wagner Moura e a poderosa equipe de Tropa 2 conseguiram. Fizeram uma sequência que é melhor do que o original. Você poderá ouvir vozes discordantes. Toda unanimidade é burra, dizia Nelson Rodrigues.

Espíritas. A partir de amanhã, Tropa 2 toma de assalto as telas de todo o País. Depois que o 1 vazou, chegou primeiro aos marreteiros (camelôs) e virou o fenômeno de pirataria que se sabe, virou questão de honra - e de sobrevivência - garantir o ineditismo do 2 até o lançamento nos cinemas. Serão 600 cópias, que virão se somar às 390 de Nosso Lar. O cinema brasileiro ocupa quase mil salas com apenas dois filmes. É dono, por um momento, do próprio mercado - e vem aí um fim de semana de feriadão, quando deverá aumentar a frequência nas salas.

Os olhos de Wagner Moura brilham. Ele abre o sorriso, no café da manhã de ontem, num hotel de Campinas. Moura varou a madrugada. Usa óculos escuros para disfarçar (a ressaca? o abatimento?), mas está firme e forte no horário acordado para a entrevista. Ele é sócio de Tropa 2, mas não é a perspectiva do faturamento que o anima. É a sensação de ter feito um filme do qual pode se orgulhar.

E a noite de terça foi especial para ele. Enquanto Tropa 2 passava em Paulínia - e ele podia, enfim, testar a reação do público, vendo o filme com uma grande plateia, em condições impecáveis de som, e imagem -, Vips, de Toniko Melo, vencia o Redentor de melhor filme no Festival do Rio e Wagner recebia o prêmio de melhor ator. Ele tinha motivos para comemorar - até o sucesso de sua candidata na eleição presidencial, Marina Silva, que ultrapassou a margem das pesquisas e virou o fiel da disputa de 31 de outubro. Historicamente votante do PT, e defensor do governo Lula, Wagner Moura desiludiu-se com o fisiologismo que tomou conta do partido. Ele ainda não sabe em quem vai votar. Vai esperar pela definição de Marina? "Poderá ajudar", ele anuncia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.