Okslen faz da passarela um vestiário de academia

Nossa, que juventude forte, bela, esportiva! O cenário era um vestiário de academia ? ou clube ? e, antes dos modelos entrarem, uma edição de imagens do filme Olímpia, da centenária e polêmica cineasta alemã Leni Riefenstahl, sob uma trilha de Wagner (cheio de scratches e derrapdas), dava o tom exortativo da coleção. Na seqüência, ao som prototechno do Kraftwerk (trilha nota 10 de Dudu Garcia), roupas calcadas em vários esportes nobres (natação, salto, tênis...) e algumas peças delicadas, como os vestidinhos e blusinhas em gaze com pois em relevo. O preto-e-branco dominou (com interferências de verde e vermelho), dando a atmosfera retrô de filme de propaganda. Tudo muito austero. E bonito. Os moletons folgados, as malhas de tenista, os shorts alfaiataria, os minivestidos estruturadinhos, tudo sugere um verão ascético e acima de qualquer suspeita. Requer consciência de corpo com disciplina, não com sedução. Bem mais séria essa Olimpíada de verão do que a estação de esqui proposta pelo estilista e proprietário da marca, Oskar Metsavath, na temporada anterior.Avante, mocidade!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.