Ofício de escritor

Raimundo Carrero volta a público e fala sobre livro no qual narra como lidou com problemas de saúde

MARIA FERNANDA RODRIGUES , OLINDA, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2011 | 03h06

Raimundo Carrero passou boa parte do ano acamado depois de ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral (AVC) em outubro de 2010 e nesse tempo saiu poucas vezes de casa. Contato com seus leitores, mesmo, só em dois momentos. Em abril, quando participou de um debate com José Castello, e em julho, na sessão de autógrafos do seu Seria Uma Sombria Noite Secreta (Record). Tudo no Recife. Mas foi no domingo, na 7.ª Festa Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto), em Olinda, que ele fez sua reestreia em eventos literários.

Na palestra, contou sobre a saúde, falou do novo romance e divertiu a plateia. Pouco antes do fim, decidiu ir embora. A ação inesperada não assustou os espectadores, que levantaram junto, aplaudiram longamente o escritor e tornaram a sentar para aproveitar o fim da conversa.

Antes de pegar a estrada para voltar ao Recife, Carrero estava cansado e feliz. "Adorei ter vindo. O público estava animado e a mesa foi solta. A única coisa ruim foi que minha voz está triste hoje", disse ao Estado. Não foi a rouquidão, no entanto, que o incomodou durante o debate, mas sim uma dor nas costas.

Para superar o que chama de "ano cão", faz fisioterapia todos os dias e garante que até o fim do ano estará andando normalmente. Para não pensar besteira, escreve. No momento, está trabalhando em dois livros. "Se está batendo o desespero, você escreve e passa." Às Vésperas do Sol será exatamente sobre a experiência do AVC. "Vou contar como é meu dia a dia, a rotina dos remédios, as dores, mas este é um livro mais chato e trabalhoso de escrever e estou na fase das anotações."

Já Tango Lamango - Ritual das Paixões Desse Mundo resgata uma musa antiga de Carrero. "É sobre uma mulher velha e misteriosa que mora numa casa também muito velha com o sobrinho pequeno. Ela costuma cantar bolero, tango e rumba para o garoto e a história toda se passa no dia do desfile do Galo da Madrugada, no carnaval recifense. A produção está bastante avançada."

Outro motivo de ânimo é a retomada de sua coluna no suplemento literário Pernambuco. O texto de dezembro será sobre como escrever um romance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.