Roberto Setton
Roberto Setton
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Octogenários do amor eterno

O casal do amor eterno, Romeu e Julieta, é modelo porque morreu jovem, sem contas para pagar, filhos e todo o chorrilho de obrigações da vida adulta. Mas a vida é sonho, como diz Calderón, e há salvação. Renato Borghi e Miriam Mehler, 80 anos de vida, 60 de teatro, mostram na adaptação e direção de Marcelo Lazzaratto à peça do velho Bill Shakespeare como sobreviver a tudo isso. No elenco, ainda Carol Fabri e Elcio Nogueira Seixas. Estreia 18 de janeiro no Sesc Ipiranga.

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 02h00

2018 É ABSURDO! 

Janeiro está batendo à porta e o Grupo Tapa, 35 anos de estrada, já aponta para o novo ano. Sente e prepare-se. Estreia dia 12, na Aliança Francesa, e segue até 15 de abril, um minifestival chamado Festival Que Absurdo! – é composto por três peças de autores do Teatro do Absurdo como uma fustigada no momento em que vivemos. Haja estômago, mas a arte cura. A primeira delas é As Criadas, de Jean Genet, com direção de Eduardo Tolentino de Araújo e Clara Carvalho, Emília Rey e Mariana Muniz no elenco. Em 24 de janeiro chega Uma Peça por Outra, de Jean Tardieu, com direção de Brian Penido Ross e Guilherme Sant’Anna, com os dois diretores e a atriz Clara Carvalho encabeçando o elenco. Em seguida, vem A Cantora Careca, de Eugène Ionesco, dirigida por Eduardo Tolentino de Araújo e Clara Carvalho, Mariana Muniz, Emília Rey, Riba Carlovich, Brian Penido Ross e Guilherme Sant’Anna no elenco. As três peças revezam-se no repertório do Tapa ao longo dos três meses do festival.

 

MÃO NA POUPANÇA 

Na caderneta de poupança, que fique bem claro neste momento tão grave que toma nossos corações e nossa paciência. O texto de Regiana Antonini aborda a vida de Anderson, um agente de viagens que perde a empresa, um grande amor e uma pessoa querida com o Plano Collor e o consequente confisco da caderneta de poupança. Nefelibato é um monólogo com Luiz Machado (foto) e tem direção de Fernando Philbert e supervisão de Amir Haddad. Estreia no dia 13 de janeiro, no Espaço Parlapatões. Detalhe: mesmo para o rapaz, pobrezinho, Anderson, o termo correto é nefelibata.

  

ESCREVA, CRIATURA! 

O escritor e dramaturgo Samir Yazbek fará um workshop de 15 a 31 de janeiro no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc, chamado Introdução à Dramaturgia. Segundas e quartas, das 19h30 às 21h30. Inscrições a partir da próxima terça-feira, 19, no próprio site do CPF (http://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br) e unidades do Sesc.

3 Perguntas para Ivam Cabral

1. O que é ser ator?

Um trabalhador, um operário, minha profissão.

2. Qual peça foi uma revelação?Decidi ser artista, ter um grupo e criar repertório com O Despertar da Primavera, de Wedekind, com o Boi Voador, nos anos 80.

3. Situação inusitada.

Saí seminu na rua, durante a peça A Filosofia na Alcova, num teatro que teve princípio de incêndio, no início da minha carreira.

Mais conteúdo sobre:
Miriam Mehler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.