Obras de Rego Monteiro ganham exposição em Paris

O artista pernambucano Vicente do Rego Monteiro (1889-1970), considerado o mais francês dos modernistas brasileiros, será lembrado nesta quarta-feira, em Paris. A mostra Do Amazonas a Paris: As Lendas Indígenas de Vicente do Rego Monteiro acontecerá juntamente com o lançamento dos livros Lendas, Crenças e Talismãs dos Índios do Amazonas, de 1923 e Algumas Vistas de Paris, de 1925, em edição fac-similar da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e Edusp. A exposição terá 12 painéis, com imagens das aquarelas que inspiraram a obra gráfica que fazem parte do livro. Os dois livros revelam o indianismo de vanguarda e as riquezas das tradições indígenas brasileiras e de inspiração marajoara.O lançamento dos livros e a inauguração da mostra serão realizados na Maison de l´Amérique Latine, em Paris, seguidos por uma mesa-redonda sobre o trabalho do artista. A exposição poderá ser visitada até o dia 20 de fevereiro.Apesar de não fazer parte da programação oficial do ano do Brasil na França, a mostra Do Amazonas a Paris: As Lendas Indígenas de Vicente do Rego Monteiro é uma extensão dela e acontecerá no mesmo espaço expositivo em que está a mostra de Tarsila do Amaral. Inspiração Indígena - Rego Monteiro nasceu em Recife e logo cedo foi para o Rio, onde começou a estudar na Escola Nacional de Belas Artes, ainda criança. Em seguida, foi com a família para Paris onde expôs pela primeira vez no Salon des Indépenants aos 13 anos. Poeta e artista, ele apresentou dez quadros durante a Semana de 22. Em 1930 trouxe vários integrantes da Escola de Paris, entre eles, Picasso para expor trabalhos em Recife, São Paulo e Rio. Em Paris viveu seus melhores anos, nos períodos de 1922 a 1932, de 1947 a 1957 e de 1960 a 1964, participando de importantes exposições. A última exposição individual de suas obras no Brasil foi no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1997.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.