Obras de Portinari batem recorde de preço para trabalhos do artista em leilão

Obras de Portinari batem recorde de preço para trabalhos do artista em leilão

'Navio Negreiro' e 'Menino de Brodowski' foram vendidos na noite desta terça-feira em Nova York

TONICA CHAGAS - especial para o Estado,

23 de maio de 2012 | 11h42

NOVA YORK - Duas obras de Cândido Portinari (1903-1962) marcaram recordes de preço para trabalhos do modernista brasileiro em leilões internacionais, na terça-feira à noite, na Christie's de Nova York. Navio Negreiro, óleo sobre tela que ele pintou em Paris, em 1950, e ilustrava a capa do catálogo de arte latino-americana que a Christie's promove esta semana, foi comprado por um colecionador privado por US$ 1.142.500,00.

O óleo sobre papel Menino de Brodowski (Retrato de Arnóbio Martini), de 1946, triplicou o maior valor que se estimava para ele (entre US$ 60 mil/US$ 80 mil) ao ser adquirido por US$ 242.500,00 — recorde para um trabalho de Portinari sobre papel, segundo levantamento da Christie's. Os dois quadros pertenceram à coleção de um amigo do artista, o embaixador brasileiro Jayme de Barros, e foram vendidos por familiares do diplomata que residem nos Estados Unidos.

A Christie's registrou recordes de preço em leilão para 12 artistas — entre esses, além de Portinari, os brasileiros Iberê Camargo (1914-1994), com o óleo sobre tela Visão de 1982 (US$ 140.500,00), e o contemporâneo Ernesto Neto, com uma instalação sem título de 1992 (US$ 74.500,00).

Navio Negreiro figurou na lista dos dez lotes que obtiveram os maiores preços da noite, encabeçada pelo óleo sobre tela do chileno Matta (1911-2002) La Révolte des Contraires, de 1944. Com valor estimado entre US$ 1,8 milhão/US$ 2,5 milhão, o quadro foi vendido por US$ 5.010.500,00 a um comprador anônimo que fez seu lance por telefone (os preços finais incluem a comissão da casa de leilões).

Navio Negreiro, que tinha estimativa entre US$ 700 mil/US$ 900 mil, empatou em preço com Psalterium, óleo sobre tela pintado em 1998 pelo chileno Claudio Bravo (1936-2011). Não fosse isso, uma terceira obra brasileira seria incluída entre as dez mais caras do leilão. Bandeirinha com Mastros e Fita, pintado por volta de 1968 por Alfredo Volpi (1896-1988) e estimado entre US$ 350 mil/US$ 450 mil, foi vendido por US$ 458.500,00.

Dos dez lotes que obtiveram os preços mais altos no leilão de arte latino-americana da Phillips de Pury, realizado em sessões na segunda e na terça-feiras, seis eram de artistas brasileiros: Metaesquema 179 (US$ 266.500,00) e Metaesquema 169 (US$ 230.500,00), duas das obras criadas em 1958 por Hélio Oiticica (1937-1980); Electronic Eyes, 2011, da dupla osgêmeos (US$ 122.500,00); Fachada, quadro pintado por Volpi por volta de 1950 (US$ 92.500,00); Lucido Nigredo XIV, obra de Tunga criada em 1999 (US$ 74.500,00); e, de Ivan Serpa (1923-1973), um dos quadros sem título da Fase Negra (1965) , vendido por US$ 74.500,00.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.